SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 número5Quality of life of patients with hepatitis CSurveillance of influenza A H1N1 2009 among school children during 2009 and 2010 in São Paulo, Brazil índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

versión impresa ISSN 0037-8682

Resumen

ALBUQUERQUE, Ana Cecília Cavalcanti de; COELHO, Maria Rosângela Cunha Duarte; LEMOS, Marcílio Figueiredo  y  MOREIRA, Regina Célia. Infecção oculta para o vírus da hepatite B em pacientes hemodialisados de Recife, Estado de Pernambuco, Brasil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2012, vol.45, n.5, pp. 558-562. ISSN 0037-8682.  http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822012000500004.

INTRODUÇÃO: A persistência do genoma do vírus da hepatite B (HBV) em indivíduos com o antígeno de superfície para o HBV (HBsAg) negativo, caracteriza-se como infecção oculta. O objetivo desse trabalho foi identificar infecção oculta pelo HBV em hemodialisados provenientes de cinco clínicas de Recife, Estado de Pernambuco, Brasil, de agosto de 2006 a agosto de 2007. MÉTODOS: Os soros foram submetidos à pesquisa do HBsAg, anticorpos totais para o AgHBc (anti-HBc total) e para os anticorpos contra o antígeno de superfície do HBV (anti-HBs) pelo ensaio imunoenzimático (ELISA). As amostras negativas para o HBsAg foram testadas para o anti-HBc total e os soros reativos, foram testados para o anti-HBs. O DNA-HBV foi analisado pela reação em cadeia da polimerase (PCR) in house nas amostras anti-HBc total reagentes. As amostras DNA-HBV positivas foram sequenciadas para a identificação do genótipo e pesquisa de mutação. RESULTADOS: A população estudada foi de 752 hemodialisados, com média de idade de 50±15,1 e ambos os sexos. Todos os soros analisados foram HBsAg negativos. A soroprevalência para o anti-HBc total e anti-HBs foi de 26,7% (201/752) e 67,2% (135/201), respectivamente. O anti-HBc total foi encontrado em 5,7% dos pacientes. A infecção oculta foi identificada em 1,5% (3/201) das amostras, sendo 33,3% com o genótipo A e 66,7% com o D. Nenhuma mutação foi observada. CONCLUSÕES: O estudo encontrou infecção oculta na amostra analisada. A infecção oculta encontrada mostra a importância de estudos moleculares, pois pacientes HBsAg negativos podem albergar o vírus disseminando-o para os demais pacientes.

Palabras llave : Hepatite B; Infecção oculta; Genótipos; Prevalência.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · pdf en Inglés