SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.59 número5Colonização da orofaringe de crianças saudáveis de Taubaté (São Paulo) por Haemophilus influenzae, antes da introdução da vacina contra Haemophilus influenzae do tipo b no BrasilPênfigo foliáceo endêmico (fogo selvagem) e pênfigo vulgar: heterogeneidade da imunoglobulina G detectada através da imunofluorescência indireta índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Revista do Hospital das Clínicas

versão impressa ISSN 0041-8781

Resumo

DARCIE, Silvana et al. Glicemia no recém-nascido de mãe hipertensa de acordo com a terapêutica materna. Rev. Hosp. Clin. [online]. 2004, vol.59, n.5, pp. 244-250. ISSN 0041-8781.  http://dx.doi.org/10.1590/S0041-87812004000500004.

OBJETIVO: Avaliar o comportamento da glicemia em recém-nascidos (RN) de mães hipertensas conforme o tratamento materno. MÉTODOS: Estudo prospectivo, randomizado, incluindo 93 RN de mães tratadas com isradipina(n=39), atenolol (n=40) ou dieta - controle (n=14). Determinou-se a glicemia ao nascimento (mãe e RN, pela glicose oxidase) e na 1ª., 3ª., 6ª., 12ª. e 24ª. horas (RN, por fita reagente). A evolução da glicemia, em cada grupo, foi analisada (Teste de Friedman). Os grupos foram comparados, quanto às glicemias, em cada momento (Teste de Kruskall-Wallis) e foram ajustados modelos de regressão linear para as glicemias (variável independente = glicemia materna; variáveis dependentes = glicemias de cordão, 3ª. e 6ª. horas). RESULTADOS: Não houve diferença estatisticamente significante entre as glicemias médias dos 3 grupos, em qualquer uma das coletas. Houve correlação entre as glicemias materna e de cordão umbilical nos grupos isradipina (r =0,61; p<0,05) e controle (r =0,84; p<0,05); entre as glicemias materna e 3ª. e 6ª. horas, houve apenas no grupo controle (materna X 3ª.hora: r = 0,65; p<0,05; materna X 6a.hora: r =0,68; p<0,05). Não houve correlação em nenhum momento no grupo atenolol. Detectou-se hipoglicemia em 51,3% (Isradipina), 60% (Atenolol) e 35,7% (Controle), mais freqüentemente na 1ª. hora de vida, em todos os grupos. CONCLUSÕES: Os resultados sugerem efeito semelhante dos 3 tipos de terapêutica sobre a glicemia do RN. As análises de correlação sugerem que a isradipina possa ter efeitos sobre a glicemia somente após o nascimento (correlação apenas em cordão umbilical), enquanto o atenolol, possa atuar mais precocemente (não se correlacionou em nenhum momento). Também reforçam a necessidade de controle glicêmico desde a 1ª. hora de vida em RN de mães hipertensas, submetidas ou não a tratamento medicamentoso.

Palavras-chave : Hipertensão; Gestação; Glicemia; Hipoglicemia.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês