SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.42 número2Impacto da legislação sanitária na comercialização de anorexígenos em uma cidade da AmazôniaOcorrência e controle de lesmas do gênero Omalonyx (Gastropoda, Succineidae), pragas de capim-elefante Pennisetum purpureum (Poaceae) em Rio Preto da Eva, Amazonas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Acta Amazonica

versão impressa ISSN 0044-5967

Resumo

FERREIRA, Leandro V. et al. Estrutura da floresta em ilhas artificiais no reservatório da usina hidrelétrica de Tucuruí, Brasil: um teste do modelo de área nuclear. Acta Amaz. [online]. 2012, vol.42, n.2, pp. 221-226. ISSN 0044-5967.  http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672012000200006.

A construção de usinas hidrelétricas em regiões tropicais tem contribuído significativamente para a fragmentação da floresta. As alterações nas bordas de fragmentos florestais causam profundos impactos na comunidade de plantas, tais como, o aumento em de árvores mortas ou danificadas e a diminuição do recrutamento de plântulas. Este estudo tem como objetivo testar o modelo de área nuclear (core-area model) em uma paisagem de floresta fragmentada resultante da formação do lago da Usina Hidrelétrica de Tucucui na Amazônia. Foram medidas as variações na estrutura em 17 ilhas, com tamanhos variando de 8 a 100 hectares. Em cada ilha foram colocadas duas parcelas, a 1ª parcela a 30 metros da margem e a 2ª parcela a mais de 100 metros da margem da ilha. A densidade e a área basal de árvores, a densidade da regeneração natural e a cobertura do dossel da floresta não foram significativamente diferentes entre as parcelas da borda e do interior das ilhas. Também não foram encontradas diferenças significativas na densidade de lianas, no número de troncos mortos ou árvores danificadas entre as parcelas da borda e do interior das ilhas. A grande declividade do terreno das ilhas, a matriz circundante (água) e a forma irregular da ilhas podem ser os fatores responsáveis me provocar a extensão do efeito de borda em todas as ilhas analisadas, independente do tamanho e grau de isolamento. Nós propomos um novo protocolo para avaliar os impactos ecológicos dos efeitos de borda em fragmentos de habitat criados artificialmente. Este protocolo envolve três etapas: (1) identificação dos táxons biológicos de particular interesse de conservação ou de gestão (2) medição das das variáveis responsaveis pela resposta dos táxons induzidas pelo efeito de borda e (3) Usar o modelo de área nuclear (core area model) na extrapolação das variáveis medidas em situacões novas ou existentes.

Palavras-chave : modelo de área nuclear; efeito de borda; fragmentação; usinas hidrelétricas.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês