SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.102 issue3Physical Training as Non-Pharmacological Treatment of Neurocardiogenic Syncope author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos Brasileiros de Cardiologia

Print version ISSN 0066-782X

Abstract

MARSIGLIA, Júlia Daher Carneiro  and  PEREIRA, Alexandre Costa. Cardiomiopatia Hipertrófica: Como as Mutações Levam à Doença?. Arq. Bras. Cardiol. [online]. 2014, vol.102, n.3, pp.295-304. ISSN 0066-782X.  http://dx.doi.org/10.5935/abc.20140022.

A cardiomiopatia hipertrófica (CMH) é a doença cardíaca genética monogênica mais comum, com uma prevalência estimada de 1:500 na população em geral. Clinicamente, CMH é caracterizada por hipertrofia das paredes do ventrículo esquerdo, principalmente o septo, geralmente assimétrica, na ausência de qualquer doença cardíaca ou sistêmica que leve a uma hipertrofia secundária. A manifestação clínica da doença tem grande heterogeneidade, variando desde sintomas leves até insuficiência cardíaca, em idade avançada, e morte cardíaca súbita, em jovens, sendo causada por uma mutação em um dos genes que codificam uma proteína do sarcômero, disco Z ou controladores intracelulares de cálcio. Apesar de muitos genes e mutações já serem conhecidos por causar CMH, as vias moleculares que levam ao fenótipo ainda não são claras. Esse artigo teve como foco os mecanismos moleculares da CMH, as vias da mutação ao fenótipo clínico e como o genótipo da doença se correlaciona com o fenótipo.

Keywords : Cardiomiopatia Hipertrófica; Fenótipo; Genótipo; Genes; Sarcômero.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )