SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 número6Fitomassa e decomposição de resíduos de plantas de cobertura puras e consorciadasAtributos físicos relacionados à compactação de solos sob vegetação nativa em região de altitude no Sul do Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Ciência do Solo

versão On-line ISSN 1806-9657

Resumo

MARTINS, Paula Cristina Caruana; DIAS JUNIOR, Moacir de Souza; AJAYI, Ayodele Ebenezer  e  MOREIRA, Fátima Maria de Souza. Sustentabilidade estrutural de um cambissolo sob diferentes sistemas de uso. Rev. Bras. Ciênc. Solo [online]. 2012, vol.36, n.6, pp.1724-1732. ISSN 1806-9657.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-06832012000600006.

Técnicas inadequadas de manejo têm sido associadas com a degradação de terras agricultáveis em muitas partes do mundo. A degradação do solo resulta em alterações das propriedades físicas, químicas e biológicas do solo, o que representa séria ameaça ao desenvolvimento agrícola sustentável. O objetivo deste estudo foi avaliar as alterações da estrutura de um Cambissolo sob seis sistemas de uso da terra por meio dos modelos de capacidade de suporte de carga. A amostragem foi realizada na região Amazônica, Brasil, nos seguintes sistemas de uso: a) floresta secundária nova; b) floresta secundária velha; c) floresta; d) pastagem; e) roça; e f) agrofloresta. Para obter os modelos de capacidade de suporte de carga, as amostras indeformadas foram coletadas nesses sistemas de uso da terra e submetidas ao ensaio de compressão uniaxial. Esses modelos foram usados para avaliar qual sistema de uso da terra preserva ou degrada a estrutura do Cambissolo. Os resultados da densidade do solo e porosidade total do solo não foram adequados para quantificar a degradação estrutural do Cambissolo. Utilizando a profundidade de 0-0,03 m da floresta como referência, observou-se que a pastagem foi o sistema de uso da terra que mais promoveu degradação da estrutura do solo, ao passo que a estrutura foi mais preservada na floresta secundária velha, roça e floresta. Na profundidade de 0,10-0,13 m, a estrutura do solo foi mais degradada no sistema de cultivo roça e mais preservada na floresta secundária jovem e pastagem. Na profundidade de 0,20-0,23 m, a degradação da estrutura do solo foi mais intensa na floresta secundária velha e mais preservada na floresta secundária nova, roça e agrofloresta.

Palavras-chave : degradação da estrutura; densidade do solo; pressão de pré-consolidação; Amazonas.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons