SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 número3Caracteres da planta e do cacho de genótipos de bananeira, em quatro ciclos de produção, em Belmonte, BahiaCrescimento de mudas de gravioleira (Anonna muricata L.) em substrato com superfosfato simples e vermicomposto índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Resumo

BORGES, Rogério de Sá  e  PIO, Rose Mary. Estudo comparativo das características dos frutos dos híbridos de tangerina: Nova, Murcott e Ortanique, na região de Capão Bonito, SP. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2003, vol.25, n.3, pp.448-452. ISSN 0100-2945.  https://doi.org/10.1590/S0100-29452003000300022.

O tangor Murcott representa 20% das tangerinas plantadas no Estado de São Paulo, sendo a segunda mais cultivada. Seus frutos têm excelente aceitação no mercado por apresentar boas características como tamanho adequado para o consumidor, coloração alaranjada forte tanto de casca quanto de polpa, resistência ao transporte, alto rendimento de suco e potencial para industrialização. Há necessidade de estudar o comportamento de outras variedades, para ampliar a diversidade da cultura da tangerina, que apresentem adequadas características para o mercado de fruta fresca e que possibilitem diferentes épocas de colheita. Diversas variedades de tangerinas, pré-selecionadas no Banco Ativo de Germoplasma de Citros, do Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio de Citros "Sylvio Moreira"/IAC/APTA fazem parte de experimentos conduzidos em 15 localidades do Estado de São Paulo. A região de Capão Bonito, situada no sudoeste paulista, constitui um dos locais onde o tangelo Nova e os tangores Murcott e Ortanique vêm apresentando resultados bastante satisfatórios quanto à qualidade de seus frutos. Avaliou-se neste trabalho, as características físico-químicas do tangelo Nova e dos tangores Murcott e Ortanique nos porta-enxertos limão Cravo e tangerina Cleópatra. Nova e Ortanique apresentaram valores de massa, diâmetro e forma do fruto e rendimento de suco, semelhantes aos do tangor Murcott. Quanto ao período de colheita, os frutos da variedade Nova apresentaram condições adequadas para consumo em maio e junho, já os frutos de Murcott podem ser colhidos em julho e agosto e a Ortanique em agosto e setembro. Assim sendo, há possibilidade de estender o período de safra desse grupo de tangerina, de dois para cinco meses, vindo inclusive a ocorrer num período de entressafra no hemisfério norte.

Palavras-chave : Híbridos de tangerina; porta-enxertos; época de colheita.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons