SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 issue2Guava propagation through minicuttings author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Fruticultura

Print version ISSN 0100-2945

Abstract

POMMER, Celso Valdevino  and  BARBOSA, Wilson. O impacto do melhoramento genético na produção de frutas em climas quentes do Brasil. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2009, vol.31, n.2, pp. 612-634. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452009000200043.

O Brasil, com suas dimensões continentais, apresenta grande diversidade de climas. Este fato permite o crescimento de grande diversidade de plantas desde a floresta tropical úmida do Amazonas, passando pela Mata Atlântica ao longo da costa, os cerrados, na região centro-oeste e nas áreas de semiárido no nordeste. A maior parte do território encontra-se na região tropical onde a latitude abrange de 5º N a 33º S. Há, portanto, razões suficientes para os melhoristas de plantas devotarem boa parte de seus esforços para melhorar plantas apropriadas aos climas mais quentes. Entre as frutíferas, os resultados dos trabalhos dos melhoristas têm sido notados em diversas espécies, especialmente pêssegos, uvas, citros, maçãs, caquis, figos, pêras e outras, não tão comuns, como acerola, goiaba, anonas (graviola, pinha, atemóia, cherimóia) e maracujá. Pessegueiros introduzidos em baixas latitudes (22 ± 2ºS) requerem adaptação climática às condições subtropicais de baixa ocorrência de frio. No Brasil, o primeiro programa de melhoramento de pêssego visando adaptação de cultivares a diferentes habitats foi desenvolvido pelo Instituto Agronômico de Campinas (IAC) começando no final dos anos 1940. O melhoramento da macieira com baixa necessidade frio levado a cabo no IAPAR, Paraná, produziu cultivares que podem ser plantados com sucesso em regiões de baixa latitude. Os programas de melhoramento da banana e do abacaxi conduzidos em unidades da Embrapa em todo o país estão conseguindo fazer frente aos fortes problemas fitossanitários com as cultivares melhoradas. Petrolina/Juazeiro, na região nordeste (9ºS), é a principal região exportadora de uvas no país com mais de 6.000 ha. A viticultura na região está baseada nos chamados porta-enxertos "tropicais" lançados pelo IAC: IAC 313 'Tropical', IAC 572 'Jales'. Recentemente, a Embrapa Uva e Vinho lançou cultivares tropicais de uvas sem sementes que estão mudando o cenário da uva de mesa no país.

Keywords : frutas de clima temperado; frutas de clima tropical; novas cultivares; produtividade; fruticultura em clima quente.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English