SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 número3Época e princípios ativos para a quebra de dormência de caquizeiro cv. Fuyu índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Resumo

MARIANO, Renata Gomes de Brito; COURI, Sonia  e  FREITAS, Suely Pereira. Tecnologia enzimática para melhorar a extração do óleo da polpa de Caryocar brasiliense (pequi). Rev. Bras. Frutic. [online]. 2009, vol.31, n.3, pp.637-643. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452009000300003.

O presente estudo tem como objetivo comparar o rendimento e a qualidade do óleo da polpa de pequi obtido por dois processos distintos: no primeiro, a secagem da polpa, conduzida em secador de bandeja a 60ºC, foi combinada com tratamento enzimático e prensagem para extração de óleo, no segundo, um processo mai simples foi realizado combinando-se a secagem da polpa ao sol seguida da prensagem a frio. Neste estudo, frutos de pequi in natura foram coletados no estado do Mato Grosso, Brasil. Os frutos foram auto-clavados a 121º C e armazenados sob refrigeração. Um extrato enzimático com atividades pectinase e CMCase foi utilizado para a hidrólise da polpa de pequi antes da extração do óleo. O processo de extração foi realizado por prensagem hidráulica, com ou sem incubação enzimática. O teor de óleo na polpa do pequi (45% w/w) e as características físico-químicas do óleo foram determinados de acordo com métodos analíticos oficiais. O teor de ácidos graxos livres, os índices de peróxido, de iodo e de saponificação foram respectivamente de 1,46 mgKOH/g, 2,98 meq/kg, 49,13 e 189,40. A acidez e os valores de peróxido foram inferiores aos valores obtidos em amostras comerciais de óleo vegetal, respectivamente, 2,48 mgKOH/g, 5,22 meq/kg. A extração aquosa apresentou menor eficiência e promoveu uma maior oxidação dos ácidos graxos insaturados. Por outro lado, a polpa de pequi prensada, após secagem ao sol, produziu um óleo de melhor qualidade. No entanto, sua eficiência ainda é menor do que no processo combinado onde se aplicou o tratamento aquoso enzimático seguido da prensagem. O processo combinado promove a hidrólise da parede celular e a redução da viscosidade da polpa, contribuindo com pelo menos 20% de aumento na produtividade da etapa de extração do óleo por prensagem.

Palavras-chave : Caryocar brasiliense; secagem ao sol; prensagem hidráulica; índices de qualidade do óleo.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons