SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 issue3Evaluation of Passifloraceas, fungicides and Trichoderma for passion fruit collar rot handling, caused by Nectria haematococcaWork safety during the mixing of pesticide of the 2.000l air-assisted sprayer tank wiht pesticide liquid formulations registered in guava orchards author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Fruticultura

Print version ISSN 0100-2945

Abstract

SOUSA, Patrícia Ferreira Cunha  and  GOES, Antonio de. Reação de laranjeiras-doces quanto à resistência a Guignardia citricarpa. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2010, vol.32, n.3, pp. 718-725.  Epub Aug 20, 2010. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452010005000076.

O objetivo deste trabalho foi determinar o comportamento de variedades de laranjas-doces quanto à resistência a Guignardia citricarpa, agente causal da mancha preta dos citros (MPC). Os ensaios foram conduzidos em dois campos, nos municípios de Rincão e Tambaú, SP. As mudas foram formadas em viveiro localizado na Estação Experimental de Citricultura de Bebedouro-SP. Para tal, foram utilizadas borbulhas de plantas cítricas existentes no Banco Ativo de Germoplasma de Citros da Estação Experimental de Citricultura de Bebedouro (EECB), Bebedouro-SP. Avaliou-se a severidade da doença por meio de escala de notas, de zero (ausência de sintomas) a seis (sintomas severos). A partir de tais dados, foi calculado o valor do índice de doença (ID). Em 2007, no experimento de Rincão, dentre as 65 variedades avaliadas, apenas 59 produziram frutos, sendo constatada ausência de sintomas da doença em Castellana, Maçã e Olivelands. Nas demais variedades, os níveis de severidade variaram de 0,35 para Grada a 3,0 para China SRA-547. Para Tambaú, os valores de severidade variaram de 0,40 para a variedade Cadenera a 2,46 para Pera. No ano de 2008, em Rincão, todas as variedades mostraram-se suscetíveis. Os níveis de severidade verificados variaram de 0,18 para a variedade Belladona, e 3,92 para Vera 97. Em Tambaú, somente a variedade Navelina não apresentou sintomas da MPC. Foi observado que, dentre as plantas que frutificaram, e com exceção daquelas cujos frutos mostraram-se assintomáticos, os valores de severidade variaram de 0,11 para a variedade Tua Mamede a 3,57 para Amares.

Keywords : Citrus sinensis; Phyllosticta citricarpa; mancha-preta dos citros; genótipos.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese