SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.37 número4APLICAÇÃO FOLIAR DE GA3 NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DE Passiflora edulis Sims f. flavicarpa DegenerCOMPORTAMENTO DA CULTIVAR NIÁGARA ROSADA ENXERTADA SOBRE DIFERENTES PORTA-ENXERTOS NO SUL DE SANTA CATARINA, BRASIL índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Resumo

FRANCESCATTO, POLIANA et al. AVALIAÇÃO FENOLÓGICA DAS DIFERENTES ESTRUTURAS DE FRUTIFICAÇÃO DAS MACIEIRAS 'GALA' E 'FUJI' NA REGIÃO DE CAÇADOR-SC. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2015, vol.37, n.4, pp.913-923. ISSN 1806-9967.  https://doi.org/10.1590/0100-2945-222/14.

A macieira apresenta duas fases que caracterizam seu ciclo anual: a de repouso hibernal e a de crescimento vegetativo e reprodutivo. A importância em se conhecer ainfluência das condições climáticas sobre os processos reprodutivos das plantas e em desenvolver tecnologias que minimizem os possíveis efeitos aumenta à medida que as projeções de aquecimento global se tornampreocupantes. O objetivo deste trabalho foi caracterizar o comportamento dos principais eventos fenológicos da macieira, da brotação à colheita, nas diferentes estruturas de frutificação, sob as condiçõesclimáticas do Sul do Brasil. O estudo experimental foi conduzido na Estação Experimental da Epagri (26°50’S, 50°58’W, altitude 950 m), durante os ciclos de 2011/12 e 2013/2014. As cultivares estudadas foram Gala e Fuji,com nove anos de idade, ambas sobre o porta-enxerto M9. O desenvolvimento fenológico foi observado nas diferentes estruturas de frutificação da macieira: gema de esporão, gema terminal de brindila e gemaaxilar de brindilas. As mesmas foram comparadas através dos dias e da exigência térmica necessários para a transição dos estádios, sendo contabilizados a partir do tratamento de quebra de dormência. As diferençasencontradas no início da brotação e do florescimento, entre as estruturas, dependeram consideravelmente das condições climáticas do ano em questão. Sob condições de altas temperaturas após o tratamento de quebra dedormência, houve maior sincronia fenológica entre as estruturas, sendo que sob baixas temperaturas se observou maior variabilidade dos estádios entre as mesmas. A partir do tratamento de quebra de dormência,gemas de esporões necessitam de menor acúmulo térmico para brotar, principalmente esporões de ‘Gala’ e gemas terminais de brindilas necessitam de maior acúmulo térmico que gemas de esporões para dar início aoflorescimento.

Palavras-chave : Malus domestica Borkh.; graus-dia; brotação; florescimento.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )