SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 número2MECANISMOS DE TOLERÂNCIA À SALINIDADE EM BANANEIRA :ASPECTOS FISIOLÓGICOS, BIOQUÍMICOS E MOLECULARESCOMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE MORANGOS ORGÂNICOS E CONVENCIONAIS DE VÁRIAS PROPRIEDADES índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Resumo

SANTOS, PRISCILA NOBRES DOS; SILVA, DIOLINA MOURA; GALLON, CAMILLA ZANOTTI  e  VENTURA, JOSÉ AIRES. SENSIBILIDADE AO ESTRESSE AMBIENTAL EM BANANEIRA COMPROVADA PELA FLUORESCÊNCIA DA CLOROFILA a. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2017, vol.39, n.2, e-991.  Epub 22-Maio-2017. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/0100-29452017991.

Este trabalho objetivou avaliar as respostas fisiológicas ao estresse ambiental, durante a pré e a pós-colheita, das cultivares: Prata (AAB), Japira (AAAB) e Vitória (AAAB). As análises foram realizadas em plantas jovens, em estádio vegetativo (planta-filha) e em plantas adultas, em estádio reprodutivo (planta-mãe). O delineamento experimental foi inteiramente casualizado. Nas análises de pré-colheita, in vivo, utilizaram-se sete repetições, em esquema fatorial (3x2x2), três cultivares, dois estádios: vegetativo e reprodutivo e dois períodos de coleta (março e junho). Para a qualidade pós-colheita, utilizaram-se 5 repetições, em esquema fatorial (3x2x5), três cultivares, dois estádios de desenvolvimento e cinco períodos de análise, realizadas a cada dois dias a partir do estádio 4 de amadurecimento dos frutos. A cinética de emissão da fluorescência da clorofila a mostrou baixo desempenho fotoquímico das três cultivares no mês de junho, período caracterizado por temperaturas mais baixas e deficiência hídrica. A cv. Prata foi a que apresentou um comportamento fisiológico menos tolerante às alterações abióticas, o que refletiu também na qualidade dos frutos, pois houve alteração nos parâmetros físicos e físicoquímicos. As cultivares Japira e Vitória apresentaram respostas fisiológicas na pré e pós-colheita bem semelhantes, condizente com sua maior proximidade filogenética. O índice de desempenho total, isto é, a conservação da energia absorvida pelo PSII até a redução dos receptores finais (PItotal) e o conteúdo do di-aldeído malônico (MDA) foram significativamente mais elevados nas cv. pira e Vitória em comparação com a cv. Prata na fase reprodutiva. Não houve mudança significativa na eficiência fotoquímica potencial máxima do FSII (FV/FM =jP0) entre as três cultivares. Conclui-se que as cv. Japira e Vitória mostraram maior plasticidade para tolerar ou até mesmo se adequar às variações abióticas mantendo maior rendimento do fruto. PItotal é o parâmetro mais sensível durante o ciclo de vida da bananeira e importante ferramenta para distinguir cultivares de diferentes rendimentos.

Palavras-chave : Musa spp; Fluorescência da clorofila a; pigmentos; peroxidação lipídica; qualidade pós-colheita.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )