SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 número3ATIVIDADE ANTIOXIDANTE E CARACTERIZAÇÃO FÍSICO QUÍMICA DE POLPA DE BURITI (MAURITIA FLEXUOSA) COLETADO NA CIDADE DE DIAMANTINO - MTCARACTERIZAÇÃO DE ISOLADOS DE Fusarium oxysporum E RESISTÊNCIA DE GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO À FUSARIOSE índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Resumo

MACHADO, BRUNO DALAZEN et al. COMPATIBILIDADE DE ENXERTIA ENTRE CULTIVARES DE PEREIRAS EUROPEIAS E PORTAENXERTOS DE MARMELEIRO EAST MALLING “C”. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2017, vol.39, n.3, e-063.  Epub 17-Ago-2017. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/0100-29452017063.

A incompatibilidade de enxertia é um dos principais fatores limitantes da produção de peras no Brasil. Até o presente, não há uma indicação da melhor combinação de cultivares de pereiras europeias e portaenxertos de marmeleiros com compatibilidade de enxertia. O estudo avaliou a compatibilidade de enxertia entre as combinações de pereiras europeias Abbè Fetel, Rocha e Williams enxertadas sobre o portaenxerto de marmeleiro EMC. O experimento foi conduzido em pomar comercial de pereira europeia no município de Urupema, estado de Santa Catarina, durante as estações de crescimento 2011/12, 2012/13 e 2013/14. As variáveis de crescimento de plantas foram: o incremento do diâmetro do tronco na região de união do enxerto entre as cultivares e o portaenxerto (mm); diferença de diâmetro do enxerto das cultivares e do portaenxerto, incompatibilidade “translocada”, incompatibilidade “localizada” e a conexão vascular na região da enxertia, o qual foi determinada por meio de imersão da base da planta em solução com ácido succínico 0,08%. Houve incompatibilidade localizada e translocada entre a cultivar de pereira europeia Williams e o portaenxerto EMC, baseado na descontinuidade vascular na região de união do enxerto, o qual impediu a translocação do ácido succínico. A combinação Williams/EMC é considerada incompatível e não é recomendada para uso em pomares comerciais. As combinações Rocha/EMC e Abbè Fetel/EMC são consideradas combinações parcialmente compatíveis e apresentaram bom desenvolvimento após 8 anos do plantio.

Palavras-chave : nível de compatibilidade; incompatibilidade “localizada”; incompatibilidade “translocada”; Pyrus communis L.; união vascular; vigor.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )