SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 número4AVANÇOS NA PROPAGAÇÃO DA GOIABEIRATEOR E ACÚMULO DE MACRONUTRIENTES EM FOLHAS DE MARACUJAZEIRO SOB MÉTODOS DE AMOSTRAGEM E ADUBAÇÕES N-K índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Resumo

GROHS, DANIEL SANTOS et al. AVANÇOS OBSERVADOS NA PROPAGAÇÃO DE VIDEIRAS NO MUNDO. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2017, vol.39, n.4, e-760.  Epub 04-Dez-2017. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/0100-29452017760.

A propagação de videiras a partir dos métodos clássicos de enxertia e em escala comercial teve origem há mais de 130 anos. Este sistema permaneceu artesanal até meados da década de 1950, quando se iniciaram os primeiros programas internacionais para certificação com foco na obtenção de plantas básicas com elevada sanidade para vírus. No fim da década de 1960 surgiu a necessidade de aumentar a escala para produção em um modelo industrial em que a muda apresentasse um padrão morfológico mínimo. Ao longo da década de 1970, aprofundaram-se as pesquisas relacionadas à automatização da prática de enxertia, à higienização do processo, ao uso de reguladores de crescimento e ao entendimento dos eventos fisiológicos da compatibilidade entre enxerto e porta-enxerto, formação de calos e enraizamentos. Assim, até meados dos anos 2000, os esquemas de certificação e o processo de propagação pouco evoluíram em termos técnicos. Porém, na medida em que a área vitivinícola foi expandindo e a demanda por mudas aumentado verificou-se que novas pragas se alastravam em escala global a partir de viveiros contaminados. Estas novas doenças (complexos virais, fitoplasmas, bactérias e fungos causadores de podridões vasculares), foram sendo descobertas à medida que os métodos de diagnose avançaram em sensibilidade de detecção. Hoje, surge uma nova discussão no segmento viveirista mundial fundamentada no fato de que o processo de propagação está sendo revisto sob o foco da redução de incidência das novas pragas e mínimo dano à muda ao longo das etapas da produção. Surgem assim, inovações tecnológicas, tanto em equipamentos quanto em práticas e insumos, sendo incorporadas aos novos modelos de certificação. Mas, se por um lado, estes esquemas tornam-se cada vez mais multidisciplinares, por outro, a complexidade gerada pode trazer dificuldades para a adesão pelos viveiristas.

Palavras-chave : enxertia; viveiro; certificação; mudas de videira.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )