SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 número5BROTAÇÃO E FERTILIDADE DE GEMAS DE NOVAS CULTIVARES DE UVAS DE MESA E SELEÇÕES DE MELHORAMENTO NO VALE DO SÃO FRANCISCODIVERSIDADE GENÉTICA DE ACESSOS DE Passiflora COM BASE EM DESCRITORES MORFOFISIOLÓGICOS DE SEMENTE índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Resumo

THUROW, LIANE BAHR et al. ESTRUTURA GENÉTICA DO GERMOPLASMA DE MELHORAMENTO DE PESSEGUEIRO NO BRASIL. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2017, vol.39, n.5, e-166.  Epub 18-Dez-2017. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/0100-29452017166.

O pessegueiro tem grande importância econômica e social no Brasil. Diversas fontes de germoplasma foram utilizadas para a introdução de caracteres desejados no pool gênico de pessegueiro do Brasil, constituído principalmente de seleções naturalizadas e acessos selecionados a partir de populações desenvolvidas pelos programas de melhoramento, adaptadas às condições de clima subtropical, de baixa exigência em frio, bem como acessos introduzidos de diversos países. Neste estudo, foram utilizados marcadores SSR, selecionados por seu elevado nível de polimorfismo com objetivo de acessar a variabilidade genética e a estrutura populacional de um painel composto por 204 genótipos de pessegueiro, selecionados com base em fenótipos contrastantes para importantes caracteres no melhoramento do pessegueiro. Um total de 80 alelos foram identificados, com média de oito alelos por loco. Em geral, o valor médio da heterozigosidade observada (0,46) foi menor do que a heterozigosidade esperada (0,63). Análises do STRUCTURE atribuíram 162 acessos em duas subpopulações, majoritariamente com base em caracteres relativos ao fruto: cultivares fundentes (96) e não-fundentes (66). Os acessos restantes (42) foram considerados não-estruturados, utilizando um coeficiente de adesão de 80%. A variabilidade genética foi maior na subpopulação fundente em comparação com a não-fundente. Além disso, 55% dos alelos presentes nas cultivares e seleções do programa de melhoramento também estão presentes nos clones de fundação, indicando que estes clones estão bem representados nas cultivares de pessegueiro e seleções avançadas desenvolvidas. Este estudo apresenta uma primeira percepção da variabilidade genética disponível e evidências para a diferenciação da população (estrutura) neste painel de pessegueiro, que pode ser explorada e servir como base para estudos de mapeamento associativo.

Palavras-chave : Prunus persica; variabilidade genética; estrutura de população; germoplasma de baixo frio; recursos genéticos.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )