SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 número1Resistência ao Cowpea aphid-borne mosaic virus em genótipos de Passiflora setacea germinadas in vitroNíveis de AIB e substratos no enraizamento de miniestacas de mamoeiro híbrido UENF/CALIMAN 02 em sistema semi-hidropônico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Resumo

AZEVEDO, Lidiane Medeiros Freitas et al. Caracterização física, química, microbiológica e sensorial de geleias de Manipuçá para a merenda escolar municipal de Fortaleza-CE. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2018, vol.40, n.1, e-728.  Epub 26-Fev-2018. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/0100-29452018728.

A presente pesquisa objetivou fazer a caracterização física, química, microbiológica e sensorial de geleias de manipuçá (Mouriri cesrensis Huber) como uma alternativa para a merenda escolar do Ensino Fundamental das escolas públicas municipais de Fortaleza-CE. Os frutos, nos estádios 4 (maduro) e 5 (senescente) de maturação, foram colhidos no Jardim Botânico de São Gonçalo, em São Gonçalo do Amarante–CE. Inicialmente, os frutos do manipuçá foram processados e, para obtenção de geleia, foram propostas cinco formulações (tratamentos), contendo diferentes proporções de água e polpa (4:1-F1; 4:2-F2; 4:3-F3 4:4-F4; e 4:5-F5), que em seguida foram submetidas às análises físico-químicas (sólidos solúveis totais- SST; acidez total titulável-ATT; pH; relação SST/ATT-RSA; vitamina C-VC; açúcares solúveis totais-AST, redutores-AR e não redutores-ANR), microbiológica (coliformes a 35ºC-CF) e sensoriais (aroma-A; cor-C; aparência-AP; sabor-S; textura-T; e intenção de compra-IC). Utilizou-se o programa Assistat nas análises estatísticas. Os resultados apresentaram a seguinte variação nas cinco formulações: SST (°Brix) – 72 (F1) a 85,12 (F5); ATT (%) – 0,95 (F1) a 0,54 (F5); pH – 4,09 (F1) a 4,30 (F5); RSA – 75,22 (F1) a 156,20 (F5); VC (mg/100 g) - 7,40 (F2) a 14,19 (F5); AST (%) - 63,97 (F1) a 79,73 (F5); AR (%) - 44,53 (F2) a 66,98 (F5); ANR (%) - 12,47 (F1) a 32,98 (F4); ausência de CF; para A, C, AP, S e T, a F5 foi superior a F2, F3, F4 e igual a F1; e para IC a F5 foi superior a todas. Conclui-se que: a F5 é a mais doce e menos ácida; entretanto, a F1 é a menos doce e mais ácida; a F5 obteve maior aceitação entre os estudantes, portanto esta é a formulação ideal para ser utilizada como alternativa na merenda escolar dos alunos de Ensino Fundamental das escolas municipais de Fortaleza-CE.

Palavras-chave : Mouriri cearensis; fruta da Restinga; aproveitamento; processamento; tecnologia de alimentos.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )