SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 número1PROPAGAÇÃO MANGAAtributos de qualidade em frutos de mirtileiro ‘Snowchaser’ de baixa exigência em frio cultivados no Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Resumo

CARVALHO, JOSÉ EDMAR URANO DE  e  NASCIMENTO, WALNICE MARIA OLIVEIRA DO. Inovações tecnológicas na propagação do Açaizeiro e do Bacurizeiro. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2018, vol.40, n.1, e-679.  Epub 08-Mar-2018. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/0100-29452018679.

O açaizeiro (Euterpe oleracea Mart.) e o bacurizeiro (Platonia insignis Mart.) são duas importantes espécies frutíferas nativas da Amazônia Brasileira. A primeira espécie já é bastante cultivada na Amazônia Brasileira e com alguns pomares estabelecidos em outras regiões do Brasil. Não obstante, a maior parte da produção ainda é oriunda dos densos e diversificados açaizais nativos encontrados nas várzeas do estuário do Rio Amazonas e que, nas últimas duas décadas, vêm sendo manejados para a produção de frutos. A produção da segunda espécie também ainda é dependente do extrativismo de populações naturais abundantes em áreas de vegetação secundária. Ambas as espécies reproduzem-se naturalmente por via sexuada e assexuada. No caso do açaizeiro, a reprodução assexuada se dá-se por meio da emissão de perfilhos na base dos estipes. Já no bacurizeiro, verifica-se por meio de abundantes brotações que surgem de raízes que se desenvolvem horizontalmente, próximas à superfície do solo. A propagação do açaizeiro, particularmente por via sexuada, é um processo já consolidado, praticamente sem inovações nos últimos anos. As sementes de açaí apresentam germinação rápida e relativamente uniforme. Uma muda obtida a partir de sementes está apta para o plantio no local definitivo entre quatro e seis meses após a emergência das plântulas. No que se refere à propagação por via assexuada, foi demonstrado que os perfilhos podem ser utilizados para a produção de mudas. Para tanto, devem ser separados da planta-mãe quando apresentarem duas folhas completamente expandidas e uma em início de formação. O grande desafio consiste em aumentar a taxa de multiplicação dos perfilhos. Com relação ao bacurizeiro, consideráveis avanços foram obtidos tanto no que se refere à propagação sexuada como a assexuada. A propagação por estacas de raiz primária ou a semeadura direta no local definitivo constituem-se em inovações que contornam o problema da germinação lenta e desuniforme da semente de bacuri. As técnicas de enxertia desenvolvidas possibilitam tanto a produção de mudas enxertadas como a enxertia no campo, para plantas oriundas de semeadura direta.

Palavras-chave : enxertia; Euterpe oleracea; germinação; Platonia insignis.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )