SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 issue2Yellow passion fruit in overhead trellis system do not differ in diseases intensity and is more productive compared to vertical trellis systemOccurrence of Purpureocillium lilacinum in citrus black fly nymphs author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Fruticultura

Print version ISSN 0100-2945On-line version ISSN 1806-9967

Abstract

SILVA, Lais Maia e et al. Tratamento hidrotérmico no manejo da antracnose em banana ‘Prata-anã’ produzida no semiárido mineiro. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2018, vol.40, n.2, e-871.  Epub Apr 09, 2018. ISSN 0100-2945.  https://doi.org/10.1590/0100-29452018871.

A antracnose destaca-se dentre as podridões que podem ocorrer na fase pós-colheita da banana. O objetivo do trabalho foi avaliar a termoterapia no controle da antracnose em banana ‘Prata-Anã’ produzida no norte de Minas Gerais. Bananas da variedade Prata-Anã foram divididas em buquês de três frutos e inoculadas com Colletotrichum musae. Os buquês foram submetidos à termoterapia com cinco temperaturas (40°C, 44°C, 48°C, 52°C e 56°C) por quatro tempos de imersão (4; 8; 12 e 16 minutos) e testemunha. Os tratamentos foram repetidos cinco vezes em delineamento inteiramente casualizado. Calculou-se a área abaixo da curva de progresso da incidência (AACPI) e a área abaixo da curva de progresso da severidade (AACPS). Para a avaliação da eficiência da termoterapia comparada ao controle químico, os frutos foram submetidos aos seguintes tratamentos: termoterapia com e sem aplicação de fungicida e frutos tratados somente com fungicida, sendo a testemunha os frutos somente inoculados com o fungo. Após quinze dias de armazenamento (25°C e 80% UR) os frutos foram avaliados quanto à severidade de antracnose. Os resultados dos experimentos foram submetidos à análise de variância e regressão, e as médias, comparadas pelo teste de Scott-Knott (p<0,05). A testemunha foi comparada aos tratamentos pelo teste de Dunnett (p<0,05). Os menores valores da AACPI da antracnose foram observados ao utilizar a temperatura de 48°C por oito e 12 minutos. A termoterapia a 52°C a partir de oito minutos de imersão, além de reduzir a AACPS da antracnose nos frutos em até 81,6%, retardou sua maturação. Os frutos submetidos à termoterapia a 56°C apresentaram maior severidade da doença e resultou no avanço da maturação dos mesmos. A termoterapia reduz a severidade de antracnose nos frutos de maneira semelhante ao uso de fungicida, porém a associação de ambos resulta em melhor controle da doença em banana ‘Prata-Anã’. A termoterapia é uma técnica eficiente em reduzir a severidade da doença em banana ‘Prata-Anã’ produzida no norte de Minas.

Keywords : Colletotrichum musae; termoterapia; incidência; severidade.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )