SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 número2Maracujazeiro-amarelo no sistema de condução em caramanchão não difere na intensidade de doenças e é mais produtivo em relação ao sistema em espaldeiraOcorrência de Purpureocillium lilacinum em ninfas de mosca-negra-dos-citros índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Resumo

SILVA, Lais Maia e et al. Tratamento hidrotérmico no manejo da antracnose em banana ‘Prata-anã’ produzida no semiárido mineiro. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2018, vol.40, n.2, e-871.  Epub 09-Abr-2018. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/0100-29452018871.

A antracnose destaca-se dentre as podridões que podem ocorrer na fase pós-colheita da banana. O objetivo do trabalho foi avaliar a termoterapia no controle da antracnose em banana ‘Prata-Anã’ produzida no norte de Minas Gerais. Bananas da variedade Prata-Anã foram divididas em buquês de três frutos e inoculadas com Colletotrichum musae. Os buquês foram submetidos à termoterapia com cinco temperaturas (40°C, 44°C, 48°C, 52°C e 56°C) por quatro tempos de imersão (4; 8; 12 e 16 minutos) e testemunha. Os tratamentos foram repetidos cinco vezes em delineamento inteiramente casualizado. Calculou-se a área abaixo da curva de progresso da incidência (AACPI) e a área abaixo da curva de progresso da severidade (AACPS). Para a avaliação da eficiência da termoterapia comparada ao controle químico, os frutos foram submetidos aos seguintes tratamentos: termoterapia com e sem aplicação de fungicida e frutos tratados somente com fungicida, sendo a testemunha os frutos somente inoculados com o fungo. Após quinze dias de armazenamento (25°C e 80% UR) os frutos foram avaliados quanto à severidade de antracnose. Os resultados dos experimentos foram submetidos à análise de variância e regressão, e as médias, comparadas pelo teste de Scott-Knott (p<0,05). A testemunha foi comparada aos tratamentos pelo teste de Dunnett (p<0,05). Os menores valores da AACPI da antracnose foram observados ao utilizar a temperatura de 48°C por oito e 12 minutos. A termoterapia a 52°C a partir de oito minutos de imersão, além de reduzir a AACPS da antracnose nos frutos em até 81,6%, retardou sua maturação. Os frutos submetidos à termoterapia a 56°C apresentaram maior severidade da doença e resultou no avanço da maturação dos mesmos. A termoterapia reduz a severidade de antracnose nos frutos de maneira semelhante ao uso de fungicida, porém a associação de ambos resulta em melhor controle da doença em banana ‘Prata-Anã’. A termoterapia é uma técnica eficiente em reduzir a severidade da doença em banana ‘Prata-Anã’ produzida no norte de Minas.

Palavras-chave : Colletotrichum musae; termoterapia; incidência; severidade.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf epdf )