SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 número3Efeito do etileno e do brassinoestereoide no amadurecimento do morango após aplicação no campoParasitodes associados à Anastrepha fraterculus (Diptera: Tephritidae) em frutos nativos:primeiro registro de Aganaspis nordlanderi (Hymenoptera: Figitidae) em Santa Catarina índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Resumo

SOUZA, Reginaldo Teodoro de et al. Frequência de aplicação de fungicida para controle de míldio na cultivar de uva sem semente BRS Vitória. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2018, vol.40, n.3, e-443.  Epub 24-Maio-2018. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/0100-29452018443.

Avaliaram-se diferentes frequências de aplicação de metalaxil + mancozebe para o controle de míldio em plantas de videira de ‘BRS Vitória’, em dois experimentos conduzidos em Jales, São Paulo, sendo um no ciclo de produção e outro no ciclo de formação de ramos. Em delineamento experimental de blocos ao acaso, foram comparados cinco tratamentos (1- duas aplicações semanais; 2- uma aplicação semanal; 3- uma aplicação a cada 14 dias; 4- uma aplicação a cada 21 dias; 5- aplicações após esporulação), com quatro repetições, sendo cada parcela constituída por três plantas. Conforme a análise da área abaixo da curva do progresso da doença (AACPD), nos dois experimentos, houve diferenças estatísticas significativas entre os níveis de controle do míldio proporcionados pelos diferentes tratamentos (P= 0,05), sendo que o controle foi mais eficiente quando foram realizadas duas pulverizações semanais com metalaxil + mancozebe, seguido por uma pulverização semanal. Em relação ao número de pulverizações, no tratamento “pulverização após a esporulação”, houve a redução de mais de 90% quando comparado ao tratamento-padrão, “duas pulverizações semanais”. Esta redução, contudo, não implicou um aumento significativo da porcentagem de área foliar afetada, que foi inferior a 3%, não causando prejuízo para a planta e não interferindo na qualidade e nas características físico-químicas dos cachos.

Palavras-chave : Plasmopara vitícola; controle químico; resistência de plantas.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )