SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 número4Determinação do período de tratamento de mudas de bananeira com rizobactérias no controle de Meloidogyne javanicaCitrus sudden death-associated virus (CSDaV) e citrus tristeza vírus (CTV) em onze porta-enxertos para laranja ‘Valência’ índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Resumo

MONTEIRO, Lino Bittencourt et al. Resistência de mariposa oriental (Lepidoptera: tortricidae) a inseticidas em pomares de maçã no sul do brasil. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2018, vol.40, n.4, e-608.  Epub 26-Jul-2018. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/0100-29452018608.

Mariposa-oriental (Grapholita molesta) é a praga mais importante de pomares de maçã no Brasil. Por muitos anos, o inseticida foi a única ferramenta usada como controle. O objetivo deste trabalho foi caracterizar o manejo dos pomares por meio da Avaliação de Impacto Ambiental da Inovação Tecnológica Agropecuária (AMBITEC-AGRO) e relacionar com o status da resistência de populações de G. molesta nos pomares de maçã, por bioensaios toxicológicos e atividades enzimáticas de glutatione S-transferase (GST), esterases (a-ß EST) e acetilcolinesterase (AChE). A estratégia fitossanitária adotada por quatro pomares de maçã no Sul do Brasil foi analisada em: Vacaria (população RS), Fraiburgo (população SC1), São Joaquim (população SC2) e Porto Amazonas (população PR). As populações foram criadas em laboratório para bioensaios com clorpirifós, carbaril, deltametrina e tebufenozide. A mortalidade larval foi avaliada durante sete dias. A atividade das enzimas GST, a-ßEST e AChE foi realizada com larvas de terceiro e quarto instares. O resultado indicou que as populações coletadas em Vacaria, Fraiburgo e São Joaquim mostraram tolerância ao carbaril e ao clorpirifós, enquanto em Porto Amazonas se mostraram mais suscetíveis. As populações de SC2 e PR foram mais tolerantes à deltametrina, enquanto que nenhuma foi tolerante a tebufenozide. A população RS foi a que apresentou maior atividade para AChE, GST e a-EST. Os resultados deste estudo podem sugerir que o sistema AMBITEC-AGRO foi um método adequado para avaliar as atividades fitossanitárias de um pomar de maçã e relacioná-lo ao estado de resistência das populações de G. molesta.

Palavras-chave : manejo da resistência; Grapholita molesta; manejo integrado; macieira.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )