SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 número4Desenvolvimento de pessegueiro ‘Maciel’ sobre diferentes sistemas de propagaçãoBanana propagation: traditional techniques.New technologies and innovations índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fruticultura

versão impressa ISSN 0100-2945versão On-line ISSN 1806-9967

Resumo

BARON, Daniel; GIMENEZ, Juliana Iassia  e  FERREIRA, Gisela. Ácido abscísico e compatibilidade de atemoia (Annona x atemoya Mabb.) enxertada em espécies nativas. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2018, vol.40, n.4, e-954.  Epub 17-Set-2018. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/0100-29452018954.

A enxertia é utilizada de maneira eficaz para o cultivo de espécies frutíferas comerciais, uma vez que é necessário garantir as caraterísticas genéticas de espécies produtivas com o emprego de clones selecionados. Apesar de a enxertia ser técnica comum e amplamente difundida, e os hormônios terem papel chave na formação de tecidos, a relação de fitormônios como o ácido abscísico com mecanismos de incompatibilidade ainda não está bem elucidada. Desta forma, o objetivo deste estudo foi avaliar se existe correlação entre as variações do ácido abscísico com a compatibilidade de atemoeira (Annona x atemoya Mabb.) cultivar ‘Thompson’, enxertada em biribazeiro [Annona mucosa (Bail.) H. Rainer], e plantas de araticum-mirim [Annona emarginata (Schltdl.) H. Rainer variedade mirim] e araticum-de-terra-fria [Annona emarginata (Schltdl.) H. Rainer variedade terra-fria]. O cultivo das plantas foi realizado no Departamento de Botânica do Instituto de Biociências de Botucatu (IB), Unesp, município de Botucatu-SP. O material vegetal de plantas enxertadas (caule acima da região enxertada, caule contendo a região enxertada e caule abaixo da região enxertada) e não enxertadas (caule situado a 20 cm acima do solo) foi coletado aos 500 dias após a enxertia (D.A.E.) para a extração e quantificação do ácido abscísico. Os resultados deste estudo evidenciam que as anonáceas (pé-francos) apresentam variações na concentração de ácido abscísico entre as espécies de porta-enxertos nativas, e quando enxertadas; além do mais, as combinações mais utilizadas atualmente, araticum-de-terra-fria e araticum-mirim, apresentam as mesmas concentrações de ácido abscísico na região enxertada que da atemoia enxertada nela mesma. Conclui-se que as variações observadas nas concentrações de ácido abscísico na região enxertada não provocaram incompatibilidade nas combinações de atemoeira enxertada em diferentes espécies nativas.

Palavras-chave : fitormônios; porta-enxerto; restabelecimento vegetal pós-enxertia.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )