SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 número5Reação de folhas de mandioca ao Microcyclus ulei, agente causal do mal-das-folhas da seringueiraInfluência da temperatura e da luminosidade no desenvolvimento de Guignardia citricarpa, agente causal da mancha preta dos frutos cítricos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Fitopatologia Brasileira

versão impressa ISSN 0100-4158

Resumo

LARANJEIRA, Francisco F. et al. Dinâmica temporal da Clorose Variegada dos Citros em três regiões do Estado de São Paulo. Fitopatol. bras. [online]. 2003, vol.28, n.5, pp. 481-488. ISSN 0100-4158.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-41582003000500003.

Este trabalho objetivou esclarecer se o progresso da Clorose Variegada dos Citros (CVC) diferia entre três regiões de São Paulo, distintas quanto à incidência da CVC em citrus (Citrus spp.). Foram avaliadas três áreas, Noroeste, Centro e Sul de São Paulo, durante dois anos, em avaliações quinzenais, quando eram mapeadas as plantas sintomáticas. Tentou-se o ajuste de nove modelos ao progresso da doença, além do ajuste de três modelos a segmentos das curvas originais. Foram estimadas também as diferenciais e as diferenciais secundárias de cada curva de progresso. Apenas quando as curvas foram divididas é que foram obtidos bons ajustes aos modelos de progresso. A diferencial (velocidade da doença) e diferencial secundária (aceleração do aparecimento de novas plantas doentes) apresentaram diversos picos ao longo do tempo. Esses picos ocorreram em meses de Primavera e Verão. Levanta-se aqui a hipótese de que os picos de diferencial - incomuns na quantidade encontrada - estejam relacionados a determinados picos de emissão de brotações, já que as novas brotações são o local preferido de alimentação dos vetores de Xylella fastidiosa.

Palavras-chave : CVC; Xylella fastidiosa; epidemiologia; diferencial.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · pdf em Português