SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 número5Reação de folhas de mandioca ao Microcyclus ulei, agente causal do mal-das-folhas da seringueiraInfluência da temperatura e da luminosidade no desenvolvimento de Guignardia citricarpa, agente causal da mancha preta dos frutos cítricos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Fitopatologia Brasileira

versão On-line ISSN 1678-4677

Resumo

LARANJEIRA, Francisco F. et al. Dinâmica temporal da Clorose Variegada dos Citros em três regiões do Estado de São Paulo. Fitopatol. bras. [online]. 2003, vol.28, n.5, pp. 481-488. ISSN 1678-4677.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-41582003000500003.

Este trabalho objetivou esclarecer se o progresso da Clorose Variegada dos Citros (CVC) diferia entre três regiões de São Paulo, distintas quanto à incidência da CVC em citrus (Citrus spp.). Foram avaliadas três áreas, Noroeste, Centro e Sul de São Paulo, durante dois anos, em avaliações quinzenais, quando eram mapeadas as plantas sintomáticas. Tentou-se o ajuste de nove modelos ao progresso da doença, além do ajuste de três modelos a segmentos das curvas originais. Foram estimadas também as diferenciais e as diferenciais secundárias de cada curva de progresso. Apenas quando as curvas foram divididas é que foram obtidos bons ajustes aos modelos de progresso. A diferencial (velocidade da doença) e diferencial secundária (aceleração do aparecimento de novas plantas doentes) apresentaram diversos picos ao longo do tempo. Esses picos ocorreram em meses de Primavera e Verão. Levanta-se aqui a hipótese de que os picos de diferencial - incomuns na quantidade encontrada - estejam relacionados a determinados picos de emissão de brotações, já que as novas brotações são o local preferido de alimentação dos vetores de Xylella fastidiosa.

Palavras-chave : CVC; Xylella fastidiosa; epidemiologia; diferencial.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português (pdf) Português (epdf)