SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 issue4The use of fluorescent probes to assess viability of the plant pathogenic bacterium Clavibacter michiganensis subsp. michiganensis by flow cytometryShoot proliferation in commercial poinsettia plants associated with phytoplasma belonging to group 16SrIII author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Fitopatologia Brasileira

Print version ISSN 0100-4158

Abstract

ALFENAS, Acelino C. et al. Ralstonia solanacearum em viveiros clonais de eucalipto no Brasil. Fitopatol. bras. [online]. 2006, vol.31, n.4, pp. 357-366. ISSN 0100-4158.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-41582006000400005.

A incidência da murcha bacteriana, causada por Ralstonia solanacearum, em viveiros clonais de eucalipto, no período de abril a setembro de 2005, resultou no descarte de cerca de 553.991 minicepas, 6.837.691 propágulos na fase de enraizamento e 11.266.819 mudas, nos Estados da Bahia, do Espírito Santo, do Maranhão, de Minas Gerais e do Pará, totalizando um prejuízo estimado em, no mínimo, seis milhões de reais (US$ 2,7 milhões). Em minijardim clonal, a doença caracteriza-se por necrose foliar, escurecimento anelar ou completo do lenho, murcha e morte de minicepas. Os sintomas na parte aérea são similares à morte gradual de minicepas submetidas a podas drásticas ou com sistema radicular malformado. Na fase de enraizamento, miniestacas infectadas podem apresentar arroxeamento das nervuras do limbo foliar e podridão. No campo, a doença caracteriza-se por bronzeamento e necrose foliar, desfolha basal, ascendente escurecimento interno do lenho e morte da planta, geralmente a partir do quarto mês após o transplantio. Os sintomas geralmente se agravam em árvores com enovelamento de raízes e afogamento de coleto. A etiologia da doença foi confirmada por meio de testes de exsudação, microscopia de varredura, isolamento da bactéria, análises de PCR/RFLP, reação de hipersensibilidade (HR) em mudas de fumo, testes de patogenicidade em plântulas de eucalipto e tomate e re-isolamento da bactéria. Como o sistema de produção de mudas clonais de eucalipto é altamente favorável à multiplicação bacteriana e na falta de conhecimento sobre a resistência genética e de outras estratégias de controle da doença, é essencial evitar a introdução da bactéria em viveiros.

Keywords : murcha bacteriana; murcha vascular; Eucalyptus spp.; propagação clonal; PCR/RFLP; DNA.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese