SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.42 número1Impacto da antracnose na produtividade de soja sob controle químico na região norte do Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Summa Phytopathologica

versão impressa ISSN 0100-5405

Resumo

DANELLI, Anderson Luiz Durante  e  REIS, Erlei Melo. Quantificação dos períodos de incubação, latente e infeccioso de Phakopsora pachyrhizi, em soja, por tempo cronológico e por graus-dia. Summa phytopathol. [online]. 2016, vol.42, n.1, pp.11-17. ISSN 0100-5405.  https://doi.org/10.1590/0100-5405/1920.

Em experimentos conduzidos em câmara de crescimento determinou-se o tempo cronológico e os graus-dias acumulados para a duração dos períodos de incubação, latente e infeccioso de Phakopsora pachyrhizi nas cultivares BRSGO 7560 e BRS 246 RR. Folíolos de soja destacados foram acondicionados em caixas de acrílico tipo gerbox e inoculados com 20 x 103uredosporos/mL. O trabalho foi conduzido com fotoperíodo de 12 horas e nas temperaturas de 10ºC, 15ºC, 22ºC, 25ºC e 30ºC por 30 dias. Foram avaliadas lesões e urédias/cm2 e o número de urédias por lesão quantificados após o início da esporulação. Também foi quantificado o potencial de esporulação nos cultivares BRSGO 7560 e BRS 246 RR. As fases do processo de infecção podem ser quantificadas tanto pelo tempo cronológico como pelo calor acumulado. A cultivar BRSGO 7560 produziu 4.012,8 esporos/cm2 e a BRS 246 RR 7.348,4 uredosporos/cm2. O maior número de urédias foi produzido na temperatura de 25ºC em ambas as cultivar, entretanto, a BRS 246 RR apresentou 372,7 urédias/cm2 e a BRSGO 7560, 231,6 urédias/cm2. Nas temperaturas de 10ºC e 30°C não ocorreu infecção foliar em ambas as cultivares.

Palavras-chave : Glycine max; temperatura; ferrugem asiática.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )