SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 número1Infection control in general surgery: results of a prospective study in 42,274 surgeries during 23 yearsTreatment of anal canal carcinoma with concomitant radiotherapy and chemotherapy: preliminary results from Hospital do Câncer A. C. Camargo índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões

versión On-line ISSN 1809-4546

Resumen

HENRIQUES, Alexandre Cruz et al. Colecistectomia videolaparoscópica ambulatorial. Rev. Col. Bras. Cir. [online]. 2001, vol.28, n.1, pp. 27-29. ISSN 1809-4546.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912001000100006.

OBJETIVO: Os autores apresentam sua experiência com 50 pacientes operados de colecistectomia videolaparoscópica em regime ambulatorial, no Hospital de Ensino da Faculdade de Medicina do ABC. MÉTODO: Quarenta e dois pacientes (84%) eram do sexo feminino e oito (16%) do masculino, a idade variou de 23 a 60 anos, com média de 41,5 anos. Foram submetidos ao procedimento pacientes com diagnóstico de colecistite crônica calculosa, que obedeciam aos seguintes critérios: inexistência de colecistite aguda, idade máxima de 60 anos, ausência de suspeita de coledocolitíase, avaliação clínica pré-operatória ASA I ou II, aprovação do paciente quanto ao método e período de internação empregados e presença de acompanhante. O posicionamento da equipe e a técnica utilizada foram os preconizados pela escola americana. RESULTADOS: O tempo cirúrgico variou de 50 minutos a 2 horas, com média de 1 hora e 25 minutos. A colangiografia intra-operatória foi realizada em 35 pacientes (70%), demonstrando coledocolitíase em um caso (2%), que necessitou conversão para cirurgia aberta. As complicações mais freqüentes no período pós-operatório imediato foram náuseas e vômitos em três casos (6%), seguidas de dor abdominal intensa em dois casos (4%). Foram tratados com antieméticos e analgésicos e tiveram a alta hospitalar adiada para o dia seguinte à operação. Quarenta e quatro pacientes (88%) tiveram condições de alta no mesmo dia. O período de permanência hospitalar foi entre nove e 12 horas. O retorno ambulatorial era programado para o sétimo e trigésimo dias pós-operatório, não havendo necessidade de reinternação em nenhum caso. CONCLUSÕES: A colecistectomia videolaparoscópica ambulatorial é um procedimento seguro.

Palabras clave : Colecistectomia videolaparoscópica; Laparoscopia; Cirurgia ambulatorial.

        · resumen en Inglés     · texto en Portugués     · Portugués ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons