SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 número1Infection control in general surgery: results of a prospective study in 42,274 surgeries during 23 yearsTreatment of anal canal carcinoma with concomitant radiotherapy and chemotherapy: preliminary results from Hospital do Câncer A. C. Camargo índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões

versión impresa ISSN 0100-6991

Resumen

HENRIQUES, Alexandre Cruz et al. Colecistectomia videolaparoscópica ambulatorial. Rev. Col. Bras. Cir. [online]. 2001, vol.28, n.1, pp. 27-29. ISSN 0100-6991.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912001000100006.

OBJETIVO: Os autores apresentam sua experiência com 50 pacientes operados de colecistectomia videolaparoscópica em regime ambulatorial, no Hospital de Ensino da Faculdade de Medicina do ABC. MÉTODO: Quarenta e dois pacientes (84%) eram do sexo feminino e oito (16%) do masculino, a idade variou de 23 a 60 anos, com média de 41,5 anos. Foram submetidos ao procedimento pacientes com diagnóstico de colecistite crônica calculosa, que obedeciam aos seguintes critérios: inexistência de colecistite aguda, idade máxima de 60 anos, ausência de suspeita de coledocolitíase, avaliação clínica pré-operatória ASA I ou II, aprovação do paciente quanto ao método e período de internação empregados e presença de acompanhante. O posicionamento da equipe e a técnica utilizada foram os preconizados pela escola americana. RESULTADOS: O tempo cirúrgico variou de 50 minutos a 2 horas, com média de 1 hora e 25 minutos. A colangiografia intra-operatória foi realizada em 35 pacientes (70%), demonstrando coledocolitíase em um caso (2%), que necessitou conversão para cirurgia aberta. As complicações mais freqüentes no período pós-operatório imediato foram náuseas e vômitos em três casos (6%), seguidas de dor abdominal intensa em dois casos (4%). Foram tratados com antieméticos e analgésicos e tiveram a alta hospitalar adiada para o dia seguinte à operação. Quarenta e quatro pacientes (88%) tiveram condições de alta no mesmo dia. O período de permanência hospitalar foi entre nove e 12 horas. O retorno ambulatorial era programado para o sétimo e trigésimo dias pós-operatório, não havendo necessidade de reinternação em nenhum caso. CONCLUSÕES: A colecistectomia videolaparoscópica ambulatorial é um procedimento seguro.

Palabras llave : Colecistectomia videolaparoscópica; Laparoscopia; Cirurgia ambulatorial.

        · resumen en Inglés     · texto en Portugués     · pdf en Portugués