SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número2Abortamento recorrente de causa imunológica: avaliação de um protocolo de investigação e tratamentoComplicações e taxa de recidiva em pacientes com carcinoma epidermóide da vulva tratadas com vulvectomia radical com uma ou três incisões: estudo de 132 casos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

versão impressa ISSN 0100-7203

Resumo

MURTA, Eddie Fernando Candido; CARLONI, Renata Almeida Pires Marcelo Balabem  e  DAIR, Elizabete Lilian. Avaliação hormonal e de marcadores séricos em pacientes com abortamento. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [online]. 1998, vol.20, n.2, pp. 91-95. ISSN 0100-7203.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72031998000200006.

Estudos têm demonstrado a utilização de glicoproteínas e hormônios para prognosticar a evolução de uma gravidez complicada por ameaça de abortamento. Entretanto, alguns resultados ainda são duvidosos. Portanto, o objetivo deste estudo foi avaliar as dosagens de CA-125, CA-19.9, CA-15.3, b-hCG, estradiol, progesterona, a-fetoproteína e antígeno cárcino-embrionário no sangue periférico de mulheres com abortamento inevitável (n=18) e com ameaça de abortamento que posteriormente evoluíram para o abortamento (n=6) no prazo de 1 a 26 dias. O grupo controle foi constituído de mulheres grávidas normais com idade gestacional semelhante (n=7). Todas as pacientes foram atendidas no Hospital Escola e/ou Ambulatório de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro. Os resultados demonstraram que as dosagens de CA-125 nos grupos controle, abortamento inevitável e ameaça de abortamento foram, respectivamente: 24,7 ± 13,4 UI/ml; 153,9 ± 43,3 UI/ml e 17,4 ± 2,6 UI/ml sendo estatisticamente significante a diferença entre o grupo com abortamento inevitável em comparação com os outros grupos. A dosagem de CA-19.9 foi significantemente menor no grupo com abortamento inevitável em relação ao grupo com ameaça de abortamento (6,6 ± 1,4 UI/ml versus 20,2 ± 11,4 UI/ml). A dosagem de estradiol foi significantemente menor no grupo com abortamento inevitável em comparação com o grupo controle (1.327 ± 1.015 ng/ml versus 10.774 ± 9.244 ng/ml). As pacientes com ameaça de abortamento e com abortamento inevitável apresentaram níveis mais baixos de progesterona que o grupo controle, respectivamente: 17,38 ± 9,4 ng/ml; 18,3 ± 8,9 ng/ml e 60,4 ± 26,8 ng/ml. Concluímos que as dosagens de progesterona, CA-19.9 e do b-hCG podem servir como prognóstico de evolução de uma gravidez inicial complicada com ameaça de abortamento.

Palavras-chave : Aborto; Marcadores; CA-125; CA-15.3; CA-19.9; a-Fetoproteína; Antígeno cárcino-embrionário; Estradiol; Gonadotrofina; Progesterona.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · pdf em Português