SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 número11Embolização de mioma uterino em mulheres portadoras de miomas volumososParticipação dos androgênios adrenais na síndrome dos ovários policísticos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

versão impressa ISSN 0100-7203

Resumo

VILARINO, Fabia Lima; BIANCO, Bianca; CHRISTOFOLINI, Denise Maria  e  BARBOSA, Caio Parente. O impacto do índice de massa corpórea nos resultados de fertilização in vitro. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [online]. 2010, vol.32, n.11, pp. 536-540. ISSN 0100-7203.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032010001100004.

OBJETIVO: avaliar o impacto do índice de massa corpórea (IMC) nos resultados de FIV/ICSI (Fertilização in vitro/injeção intracitoplasmática de espermatozoide) obtidos no Serviço de Reprodução Humana da Faculdade de Medicina do ABC. MÉTODOS: estudo retrospectivo que incluiu 488 ciclos de FIV/ICSI de 385 pacientes. As pacientes foram divididas em dois grupos de acordo com o IMC em peso normal (18,5 > IMC <25 kg/m2) e sobrepeso/obesidade (IMC >25 kg/m2). Foram avaliados a dose de hormônio folículo-estimulante recombinante (FSHr) utilizada, as taxas de cancelamento dos ciclos por resposta ovariana, e os resultados do laboratório de reprodução assistida como o número de oócitos, número de embriões de boa qualidade, número de embriões transferidos, e as taxas de gravidez, gestação química, abortamento e nascimentos. Para a comparação das variáveis quantitativas entre os grupos foi utilizado o teste t e o teste χ2 para comparação entre as variáveis qualitativas. Os valores de p<0,05 foram considerados significativos. RESULTADOS: considerando características da indução da ovulação, não houve diferença estatística significante entre os grupos quanto a dose de FSHr utilizada e a taxa de cancelamento, p=0,47 e p=0,85, respectivamente. Quanto aos resultados do laboratório, o número de oócitos recuperados por ciclo foi semelhante entre os grupos (p=0,09), bem como o número de embriões de boa qualidade obtidos e transferidos (p=0,7 e p=0,6). A taxa de gravidez por transferência embrionária foi de 27,6% no grupo com peso normal e 29,6% no grupo com sobrepeso/obesidade (p=0,76). As taxas de abortamento e de nascimentos foram semelhantes entre os grupos: p=0,54 e p=0,94. CONCLUSÃO: o IMC não influenciou os resultados de FIV/ICSI avaliados.

Palavras-chave : Fertilização in vitro; Índice de massa corporal; Infertilidade; Infertilidade feminina; Técnicas reprodutivas.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · pdf em Português