SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 issue3Litter production in a fragmented Atlantic forest landscape (Ibiúna, SP): the importance of the edge and fragment sizeSpatial variation in the structure and floristic composition of "restinga" vegetation in southeastern Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Brazilian Journal of Botany

On-line version ISSN 1806-9959

Abstract

ARAUJO, Janaina Fernandes de  and  HARIDASAN, Mundayatan. Relação entre deciduidade e concentrações foliares de nutrientes em espécies lenhosas do cerrado. Rev. bras. Bot. [online]. 2007, vol.30, n.3, pp. 533-542. ISSN 1806-9959.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042007000300017.

O principal objetivo deste estudo foi comparar as variações nas concentrações foliares de nutrientes de 15 espécies lenhosas do cerrado sensu stricto pertencentes a diferentes grupos fenológicos para determinar a influência da deciduidade na nutrição mineral. As principais hipóteses foram que espécies sempre-verdes apresentariam menores concentrações de nutrientes foliares, menor área foliar específica e menor variação sazonal que espécies decíduas porque suas folhas persistem por mais de um ciclo anual de estações seca e chuvosa. O estudo foi realizado em um cerrado sensu stricto na Reserva Ecológica do IBGE no Distrito Federal. Folhas completamente expandidas coletadas de três indivíduos de cada espécie, em intervalos de dois meses durante um ano, foram analisadas. A área foliar específica também foi determinada. A concentração de N, P, K, Ca e Mg e a variação sazonal foram menores nas espécies sempre-verdes do que nas decíduas. Espécies decíduas mostraram as maiores concentrações de N, P e K no inicio da estação chuvosa, época em que as folhas encontram-se recentemente maduras e suas concentrações decresceram até o começo da próxima estação seca. Concentrações de Ca foram maiores no final da estação seca. Espécies brevidecíduas tiveram menores concentrações de N e P que espécies decíduas e maiores concentrações de N, P, Ca e Mg que as sempre-verdes. A área foliar específica média das espécies sempre-verdes (54,0 cm2 g-1) foi menor do que a das decíduas (67,0 cm2 g-1) e brevidecíduas (83,5 cm2 g-1). A área foliar específica foi correlacionada com N e P. Houve diferenças não só entre espécies decíduas e sempre-verdes, mas também entre espécies decíduas e brevidecíduas.

Keywords : área foliar específica; cerrado; nutrição mineral.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese