SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 número3Efeito de alagamento e de aplicação de fitorreguladores na brotação de Guazuma ulmifolia (Malvaceae) e de Sesbania virgata (Fabaceae)A subtribo Cranichidinae Lindl. (Orchidaceae) no Estado do Paraná, Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Botany

versão impressa ISSN 0100-8404

Resumo

ZENNI, Rafael Dudeque  e  ZILLER, Sílvia Renate. Visão geral das plantas exóticas invasoras no Brasil. Rev. bras. Bot. [online]. 2011, vol.34, n.3, pp. 431-446. ISSN 0100-8404.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042011000300016.

Alertas sobre espécies exóticas existem no Brasil desde o século XVIII, quando gramíneas africanas começaram a ser registradas em pastagens próximas ao Rio de Janeiro. No início do século XIX dois decretos reais (em julho de 1809 e julho de 1810) ofereciam bônus e isenção de impostos para todos que introduzissem plantas de valor econômico. Atualmente, há 117 espécies de plantas exóticas reconhecidas como estabelecidas com potencial invasor ou invasoras no Brasil, e um número desconhecido de plantas introduzidas. As plantas exóticas invasoras mais relevantes são Artocarpus heterophyllus Lam. e Hedychium coronarium König na floresta ombrófila densa, Hovenia dulcis Thunb. na floresta ombrófila mista e floresta estacional semidecidual do rio Paraná, Pinus taeda L. e Pinus elliottii Engelm. na floresta ombrófila mista e na estepe, Prosopis juliflora (Sw.) DC. na savana-estépica, Tecoma stans (L.) Juss. ex Kunth nas florestas estacionais semideciduais e deciduais, Melinis minutiflora P. Beauv. na savana e Eragrostis plana Nees na estepe. Este artigo tem como objetivo ajudar a preencher uma lacuna de informação sobre espécies exóticas invasoras no Brasil e os locais onde invadem, apresentando um resumo dos dados obtidos no banco de dados de espécies exóticas invasoras no Brasil criado e mantido nos últimos seis anos por um esforço conjunto do Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental, da The Nature Conservancy (TNC), da Rede Interamericana de Informações sobre a Biodiversidade (IABIN) por meio da rede temática de Espécies Invasoras (I3N) e do Ministério de Meio Ambiente do Brasil (MMA).

Palavras-chave : banco de dados; invasões biológicas; plantas exóticas invasoras.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês