SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 número1Avaliação cardiológica de pacientes portadores de doença renal crônica: quais as lições?Cálculo de Kt/V em hemodiálise: comparação entre fórmulas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Jornal Brasileiro de Nefrologia

versão impressa ISSN 0101-2800

Resumo

TEIXEIRA, Ana Paula Simões Ferreira et al. Prevalência de síndrome metabólica e fatores associados em pacientes transplantados renais. J. Bras. Nefrol. [online]. 2012, vol.34, n.1, pp.16-21. ISSN 0101-2800.  http://dx.doi.org/10.1590/S0101-28002012000100003.

INTRODUÇÃO: A população de pacientes submetidos ao transplante renal é considerada de alto risco para desenvolver obesidade e alterações no metabolismo lipídico e da glicose, devido ao uso de drogas imunossupressoras e da liberdade na alimentação no período pós-transplante. OBJETIVO: Este estudo foi desenhado para avaliar a prevalência da síndrome metabólica em receptores de transplante renal e para identificar os fatores associados com sua ocorrência. MÉTODOS: Realizou-se um estudo transversal em pacientes transplantados renais com mais de seis meses de acompanhamento. A síndrome metabólica foi diagnosticada de acordo com os critérios do National Cholesterol Education Program Adult Treatment Panel III. RESULTADOS: Entre os 87 pacientes inscritos, 39 (44,8%) apresentavam o fenótipo da síndrome metabólica. A idade média dos pacientes foi de 43,5 ± 12,1 anos, com predomínio do sexo masculino (69,0%) e brancos (66,7%). Os tempos médios e a mediana pós-transplante foram 64,2 ± 49,4 e 56 meses, respectivamente. Todos os 12 pacientes que desenvolveram diabetes mellitus pós-transplante também satisfizeram os critérios para a síndrome metabólica, o que comprometeu a inclusão desta variável na regressão logística. Na análise univariada, pacientes com síndrome metabólica apresentaram maior média de idade (p = 0,008), maior média no nível sérico de ciclosporina (p = 0,021), maior prevalência de história de doença coronariana (p = 0,023), e usaram com maior frequência beta-bloqueadores (p = 0,011) e bloqueadores do canal de cálcio (p = 0,039). Na análise multivariada, a idade (HR = 1,06; IC 95% 1,01 - 1,11, p = 0,006) e o uso de beta-bloqueadores (HR = 4,02; IC 95% = 1,41 - 11,4, p = 0,009) foram associados com risco aumentado de síndrome metabólica. CONCLUSÃO: A síndrome metabólica foi altamente prevalente na po- pulação de transplantados renais estudados, e foi asso- ciada com maior idade, uso de beta-bloqueadores e o diabetes mellitus pós-transplante.

Palavras-chave : Transplante de Rim; Dislipidemias; Diabetes Mellitus Tipo 2.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons