SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 número1Avaliação cardiológica de pacientes portadores de doença renal crônica: quais as lições?Cálculo de Kt/V em hemodiálise: comparação entre fórmulas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Jornal Brasileiro de Nefrologia

versão impressa ISSN 0101-2800

Resumo

TEIXEIRA, Ana Paula Simões Ferreira et al. Prevalência de síndrome metabólica e fatores associados em pacientes transplantados renais. J. Bras. Nefrol. [online]. 2012, vol.34, n.1, pp. 16-21. ISSN 0101-2800.  http://dx.doi.org/10.1590/S0101-28002012000100003.

INTRODUÇÃO: A população de pacientes submetidos ao transplante renal é considerada de alto risco para desenvolver obesidade e alterações no metabolismo lipídico e da glicose, devido ao uso de drogas imunossupressoras e da liberdade na alimentação no período pós-transplante. OBJETIVO: Este estudo foi desenhado para avaliar a prevalência da síndrome metabólica em receptores de transplante renal e para identificar os fatores associados com sua ocorrência. MÉTODOS: Realizou-se um estudo transversal em pacientes transplantados renais com mais de seis meses de acompanhamento. A síndrome metabólica foi diagnosticada de acordo com os critérios do National Cholesterol Education Program Adult Treatment Panel III. RESULTADOS: Entre os 87 pacientes inscritos, 39 (44,8%) apresentavam o fenótipo da síndrome metabólica. A idade média dos pacientes foi de 43,5 ± 12,1 anos, com predomínio do sexo masculino (69,0%) e brancos (66,7%). Os tempos médios e a mediana pós-transplante foram 64,2 ± 49,4 e 56 meses, respectivamente. Todos os 12 pacientes que desenvolveram diabetes mellitus pós-transplante também satisfizeram os critérios para a síndrome metabólica, o que comprometeu a inclusão desta variável na regressão logística. Na análise univariada, pacientes com síndrome metabólica apresentaram maior média de idade (p = 0,008), maior média no nível sérico de ciclosporina (p = 0,021), maior prevalência de história de doença coronariana (p = 0,023), e usaram com maior frequência beta-bloqueadores (p = 0,011) e bloqueadores do canal de cálcio (p = 0,039). Na análise multivariada, a idade (HR = 1,06; IC 95% 1,01 - 1,11, p = 0,006) e o uso de beta-bloqueadores (HR = 4,02; IC 95% = 1,41 - 11,4, p = 0,009) foram associados com risco aumentado de síndrome metabólica. CONCLUSÃO: A síndrome metabólica foi altamente prevalente na po- pulação de transplantados renais estudados, e foi asso- ciada com maior idade, uso de beta-bloqueadores e o diabetes mellitus pós-transplante.

Palavras-chave : Transplante de Rim; Dislipidemias; Diabetes Mellitus Tipo 2.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês