SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 número1Morfologia de frutos, sementes e de plântulas de janaguba (Himatanthus drasticus (Mart.) Plumel. - Apocynaceae)Desempenho de sementes de algodão após o processamento e armazenamento índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Revista Brasileira de Sementes

versão impressa ISSN 0101-3122

Resumo

KOHOMA, Sueli; MALUF, Angela Maria; BILIA, Denise Augusta Camargo  e  BARBEDO, Claudio José. Secagem e armazenamento de sementes de Eugenia brasiliensis Lam. (Grumixameira). Rev. bras. sementes [online]. 2006, vol.28, n.1, pp. 72-78. ISSN 0101-3122.  http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222006000100010.

Há grande demanda por pesquisas com espécies arbóreas nativas do Brasil, principalmente quanto à qualidade fisiológica de suas sementes. Visando avaliar o grau de tolerância à dessecação e a capacidade de armazenamento das sementes de grumixameira (Eugenia brasiliensis), frutos maduros foram coletados em Mogi-Guaçu, SP. Após a colheita, as sementes foram extraídas, lavadas e secas a 36ºC, reduzindo seu teor de água inicial de 48,9% (base úmida) para até 23,6% (última secagem), totalizando cinco níveis de secagem. Amostras de sementes de cada nível de secagem foram armazenadas em sacos plásticos, a 7ºC, até 270 dias. Os resultados mostraram que a redução do teor de água para valores inferiores a 43,1% prejudicou tanto a germinabilidade quanto a capacidade de conservação em armazenamento das sementes. Sementes com 48,9% de água apresentaram 60% de germinação após 180 dias de armazenamento e 19% após 270 dias, quando mantidas em sacos plásticos e em câmara fria. Concluiu-se que sementes de E. brasiliensis podem ser armazenadas por 180 dias a 7ºC e são sensíveis à secagem a 36ºC.

Palavras-chave : conservação; dessecação; germinação; Myrtaceae.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · pdf em Português