SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14In the origin is the signConcepts and mental structure índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Trans/Form/Ação

versión impresa ISSN 0101-3173

Resumen

WOODFIELD, Andrew. Racionalidade nas crianças: os primeiros passos. Trans/Form/Ação [online]. 1991, vol.14, pp. 53-72. ISSN 0101-3173.  http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31731991000100003.

Nem toda categorização é conceitual. Muitas das descobertas experimentais sobre o processo de categorização nas crianças e animais sugerem a hipótese segundo a qual os sujeitos formam representações perceptuais abstratas, modelos mentais ou mapas cognitivos que não são compostos de conceitos. Este artigo é uma reflexão acerca da ideia de que categorização conceitual envolve a habilidade de fazer julgamentos categoriais, tender como guia as normas de racionalidade. Estas incluem uma norma de busca da verdade e uma norma de evidência adequada. A aceitação dessas normas implica boa vontade em respeitar as autoridades cognitivas, o desejo de evitar as contradições e o conhecimento de como reorganizar seu sistema representacional após descobrir que se cometeu um erro. Sugere-se que a arquitetura cognitiva requerida pela racionalidade básica é semelhante àquela subjacente ao jogo do "faz de conta". O sistema representacional deve ser capaz de arrumar lugar para "espaços mentais", nos quais alternativas para o mundo real são consideradas. A mesma característica subjaz à habilidade de compreender modalidades, tempo, a distinção entre aparência e realidade, outras mentes e éticas. Cada área de compreensão admite graus, e o seu domínio (alcançado pelo adulto normal) leva anos. Contudo a manipulação racional de conceitos, pelo menos na sua forma mais rudimentar, não requer a capacidade de formar representações de segunda ordem. Ela requer conhecimento do procedimento de como operar e comparar os conteúdos dos diferentes espaços mentais.

Palabras llave : As raízes da racionalidade; categorização conceitual e não-conceitual; representações perceptuais; modelos mentais; mapas cognitivos; psicologia do senso-comum; capacidades cognitivas; representação de objetos ausentes.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · pdf en Inglés