SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 issue1The function of the tolerance in the resocialization of the citizenshipHannah Arendt, Foucault and the reinvention of the public space author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Trans/Form/Ação

Print version ISSN 0101-3173

Abstract

CHEDIAK, Karla. A pluralidade como idéia reguladora: a noção de justiça a partir da filosofia de Lyotard. Trans/Form/Ação [online]. 2001, vol.24, n.1, pp. 213-224. ISSN 0101-3173.  http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31732001000100014.

De acordo com Lyotard, não poderíamos mais contar com o apoio de um sistema filosófico para fundamentar nosso conceito de justiça. A pluralidade é a grande marca da experiência do pensamento no nosso tempo e, por isso, deveríamos considerar o problema da justiça a partir dessa pluralidade e não contra ela. Isso não significa reduzir a questão da justiça ao jogo de opinião e das relações de dominação, mas significa concebê-la a partir de uma Idéia que é capaz de reconstituir a universalidade e também a finalidade na forma da coexistência das diferenças. Essa Idéia teria uma função reguladora sobre a diversidade das opiniões e se basearia no fato de que o julgar transcende a determinação do presente, pois projeta o porvir da humanidade. Se, por um lado, a Idéia é incapaz de gerar um conceito unitário de justiça, capaz de garantir a paz entre os diferentes, por outro, ela, ao menos, evita que se confundam unificação e dominação, promovendo acordos que sustentem a coexistência das diferenças.

Keywords : Justiça; Kant; Lyotard; pluralidade.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese