SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 issue2An "impossible possibility of saying": the event in philosophy and literature, according to Jacques DerridaRight to justification and duty of justification: reflections on a modus of the grounding of human rights author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • On index processCited by Google
  • Have no similar articlesSimilars in SciELO
  • On index processSimilars in Google

Share


Trans/Form/Ação

Print version ISSN 0101-3173

Abstract

HELFER, Inácio. Os bens sociais são sempre bens convergentes?. Trans/Form/Ação [online]. 2012, vol.35, n.2, pp. 163-185. ISSN 0101-3173.  http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31732012000200009.

Uma interpretação corrente do fenômeno social ensina que todos os bens coletivos são bens convergentes. As concepções bem-estarista e utilitarista na economia e na filosofia, respectivamente, são os seus principais expoentes. A tese consiste em aceitar que "totalidades sociais" são inexoravelmente compostas de "partes" e que, por isso, na base de cada bem público ou social se encontrariam sempre os indivíduos, os quais seriam, em última análise, responsáveis pela sua existência. Assim, os bens públicos seriam bens para os quais convergem interesses e escolhas dos agentes sociais. O presente estudo mostra, em primeiro lugar, segundo a compreensão de Taylor, que nem todos os bens coletivos são bens convergentes. Alguns bens sociais podem ser considerados bens irredutivelmente sociais, cuja justificativa se encontra na reflexão sobre o significado. Em segundo lugar, aborda a contribuição que a noção hegeliana de eticidade teve sobre a formulação desse argumento.

Keywords : Bens sociais convergentes; Bens irredutivelmente sociais; Teoria da ação; Taylor; Hegel.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguesepdf in Portuguese