SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.41 número3Relação entre depressão materna como fator de risco para trauma na infância e transtornos de humor em jovensDependência de Internet e de jogos eletrônicos: um enfoque cognitivo-comportamental índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo)

versão impressa ISSN 0101-6083

Resumo

OLIVEIRA, Fabricio Ferreira de; WAJMAN, Jose Roberto  e  BERTOLUCCI, Paulo Henrique Ferreira. Conhecimento dos cuidadores acerca do risco cerebrovascular de pacientes com síndrome demencial da doença de Alzheimer em São Paulo, Brasil. Rev. psiquiatr. clín. [online]. 2014, vol.41, n.3, pp.77-81. ISSN 0101-6083.  https://doi.org/10.1590/0101-60830000000015.

Contexto

O risco cerebrovascular é fundamental na etiologia da demência da doença de Alzheimer (DA), sendo importante seu controle adequado.

Objetivo

Investigar se o conhecimento dos cuidadores sobre o controle do risco cerebrovascular tem impacto sobre a saúde de pacientes com DA.

Métodos

Pacientes consecutivos com DA foram avaliados quanto a dados demográficos, Clinical Dementia Rating, risco cerebrovascular, tratamento farmacológico, dietoterapia e prática de atividades físicas. Pacientes e cuidadores foram questionados quanto à importância de medidas para controle do risco cerebrovascular. Chi-quadrado foi empregado na análise estatística, significância com ρ < 0,05.

Resultados

No total, 217 pacientes foram incluídos; enquanto 149 cuidadores (68,7%) conheciam a necessidade de controle do risco cerebrovascular, somente 11 pacientes (5,1%) simultaneamente praticavam exercícios e recebiam tratamento farmacológico e dietoterápico. Pacientes com hipertensão arterial e diabetes mellitus tinham maiores chances de receber dietotetapia (ρ = 0,007). Homens estavam mais engajados em atividades físicas (ρ = 0,018). Pacientes em estágios precoces da DA praticavam exercícios (ρ = 0,0003) e recebiam farmacoterapia mais frequentemente (ρ = 0,0072). O conhecimento dos cuidadores acerca do controle do risco cerebrovascular era maior quando os pacientes tinham hipertensão arterial (ρ = 0,024) e/ou dislipidemia (ρ = 0,006), e influenciou a adesão à dietoterapia (ρ = 0,002) e à farmacoterapia (ρ = 0,001).

Conclusão

O conhecimento dos cuidadores acerca do risco cerebrovascular tem impactos positivos para pacientes com DA.

Palavras-chave : Doença de Alzheimer; demência; transtornos cerebrovasculares; fatores de risco; cuidadores.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )