SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número3Suicídio e ausência de psicopatologia em eixo I índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul

versão impressa ISSN 0101-8108

Resumo

MARUCCO, Norberto Carlos  e  MARUCCO, Alejandra Vertzner de. A prática analítica atual e a problemática do poder. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul [online]. 2004, vol.26, n.3, pp.259-267. ISSN 0101-8108.  http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082004000300002.

Os autores enfocam a prática psicanalítica atual sob o vértice do poder, e o diferenciam em poder nos sentidos verbal e substantivo. O poder verbal é a aptidão de realizar alguma coisa no sentido de "ser capaz". O poder substantivo é o domínio, a supremacia, a autoridade ou, ainda, a força, a pujança. Se o poder for substantivo ou verbal, disso resultará uma diferença de significado e também de significante. Os autores, a seguir, enunciam o poder como categoria antropológica, psíquica e social. Em continuidade, definem o que é a prática analítica atual a partir de três aproximações: os diferentes esquemas referenciais, as patologias atuais (psicossomáticas, borderline, anorexia e bulimia, etc.) e a atualidade sociocultural. Depois de demarcado o campo conceitual, os autores discorrem sobre o abuso de poder por parte do analista, que é acompanhado de uma progressiva supressão de Eros, ou seja, de uma difusão pulsional. Quando isso ocorre, a pulsão de morte se expressa através de uma idealização da transferência, que equivale ao poder substantivo, não ao poder verbal. A hipnose é o melhor exemplo desse fenômeno: o enamoramento, a transferência idealizada. Quando, ao contrário, esse poder no sentido substantivo está do lado do paciente, o analista, via contratransferência, se vê obrigado a renunciar à sua sexualidade. O analista, então, deverá proceder ao desmantelamento dessa situação infantil na qual um objeto poderoso anula o nascimento da sexualidade dentro do cenário da prática analítica. Os autores finalizam afirmando que o resultado iatrogênico do apego a um objeto, quando se instala na análise, é impedir o desenvolvimento da pulsão sexual como amor de transferência, e que a anulação da sexualidade vai gerando, na dupla analítica, relações de poder. Se isso ocorre, não importa quem triunfe, a prática analítica será inundada pela pulsão de morte.

Palavras-chave : Prática analítica; poder; pulsão; transferência; contratransferência.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Português | Espanhol     · Português ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons