SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 issue63Hotels in São Paulo City in the first decade of the 20th century: diversity in their size, location and servicesFestivities and urban space: music broadcasting and balls in 1950s Belém author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de História

On-line version ISSN 1806-9347

Abstract

FLORES, Maria Bernardete Ramos. Quando o dragão assume o lugar do cavalo: um caráter pós-colonialista na obra criolla de Xul Solar. Rev. Bras. Hist. [online]. 2012, vol.32, n.63, pp.361-380. ISSN 1806-9347.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-01882012000100017.

A figura de são Jorge na luta contra o dragão, que tanto aparece nas pinturas de Kandinsky, funcionava como um xamã guerreiro e curador dos males da sociedade moderna. Xul Solar, representante da vanguarda criolla argentina, na crença de que a América, com seus sistemas de mitos e crenças, revelava um espaço espiritual, no qual se desenvolveria a nova humanidade, toma o dragão para subverter os fluxos da colonização. Na aquarela Drago, de 1927, tida como a melhor representação de sua utopia de unidade latino-americana, um dragão engalanado pelas bandeiras da América Latina desliza por sobre o mar em direção à Europa, saudado pelas bandeiras das Metrópoles. O homem montado no dragão segura um bastão encimado por um triângulo (que para Kandinsky era o símbolo da vida espiritual), para levar ao Velho Mundo a mensagem do Mundo Novo.

Keywords : mito da serpente; deus e códices; pós-colonialismo.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License