SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 A atuação dos indígenas na Históriado Brasil: revisões historiográficasPasso Ruim 1868: as estratégias dos Xokleng nas fronteiras de seus territórios do alto rio Itajaí índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de História

versão impressa ISSN 0102-0188versão On-line ISSN 1806-9347

Resumo

LANGFUR, Hal. Canibalismo e a legitimidade da guerra justa na época da Independência. Rev. Bras. Hist. [online]. In press. .  Epub 17-Ago-2017. ISSN 0102-0188.  http://dx.doi.org/10.1590/1806-93472017v37n75-05.

No início do século XIX, os esforços do Estado português para dominar os povos indígenas independentes se concentraram na Mata Atlântica que ligava o leste de Minas Gerais ao litoral. O presente artigo atribui aos nativos a contenção das tendências mais violentas desse projeto, depois que a Coroa portuguesa lhes declarou guerra em 1808. Acusados de canibalismo, os índios Botocudo, entre outros, enfrentaram o extermínio. Depois de muitos anos, contudo, a Coroa passou a adotar uma política de incentivo à troca material com esses caçadores e coletores. Essa reviravolta foi uma resposta à capacidade dos nativos de evitar a conquista mediante uma combinação eficaz de contra-ataques, recuos e, acima de tudo, de comprometimento estratégico com os invasores coloniais, o que levou à dispersão do conflito. Ao convencer alguns funcionários quanto à sua humanidade, os índios debilitaram a política bélica da Coroa, mesmo quando enfrentaram outra ameaça à sua sobrevivência - a crescente violência privada.

Palavras-chave : canibalismo; índios Botocudo; guerra justa.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf epdf )