SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 issue82Settlers, Indians and Blacks in the Border of the Cabo Norte (1700-1750)The Ideas of Jacques Maritain and Emmanuel Mounier on the Brazilian Catholic Field and the Liberation Education of Paulo Freire author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de História

Print version ISSN 0102-0188On-line version ISSN 1806-9347

Abstract

CARVALHO, Roberta Lobão. Antijesuitismo na Amazônia portuguesa (primeira metade do século XVIII). Rev. Bras. Hist. [online]. 2019, vol.39, n.82, pp.153-173.  Epub Dec 09, 2019. ISSN 0102-0188.  https://doi.org/10.1590/1806-93472019v39n82-08.

As pesquisas sobre a Amazônia portuguesa colonial costumam abordar, sobretudo, os períodos mais agitados daquela região, como o de atuação do padre Antônio Vieira no século XVII ou o período pombalino na segunda metade do século XVIII. Esta pesquisa estuda justamente uma parte da História do Maranhão e Grão-Pará negligenciada porque, aparentemente, não houve grande agitação: a primeira metade do século XVIII. Em nossas análises, destacou-se a atuação de um agente com ideias peculiares, que compreendemos como uma espécie de projeto de governo conflituoso em pontos importantes com o projeto pensado para a região pela Coroa portuguesa. Esse agente é Paulo da Silva Nunes, inimigo acérrimo da Companhia de Jesus, que atuou na colônia e posteriormente na Corte realizando uma dura campanha contra a ação dos jesuítas naquela região e contra as leis que, em sua concepção, favoreciam apenas os padres. Para tanto, autointitulou-se Procurador dos Povos do Maranhão e Grão-Pará e fez de sua campanha antijesuítica um projeto político, social e econômico para a região.

Keywords : Paulo da Silva Nunes; Companhia de Jesus; século XVIII; Amazônia colonial.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )