SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número3Indução do florescimento e produção de sementes de alface com diferentes doses de ácido giberélicoQualidade de híbridos de melão após a aplicação de imidacloprid para controle de mosca-branca índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Horticultura Brasileira

versão impressa ISSN 0102-0536

Resumo

MARUYAMA, Wilson Itamar; BRAZ, Leila Trevizan  e  CECILIO FILHO, Arthur Bernardes. Condução de melão rendilhado sob cultivo protegido. Hortic. Bras. [online]. 2000, vol.18, n.3, pp.175-178. ISSN 0102-0536.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362000000300006.

Estudou-se o comportamento de dois híbridos de melão rendilhado (Bônus nº 2 - polpa verde e D. Carlos - polpa salmão), conduzidos com uma ou duas hastes, em três diferentes posições de fixação dos frutos (5º ao 8º, 9º ao 11º e 12º ao 15º nó). Adotou-se delineamento de blocos ao acaso, com três repetições, no esquema fatorial 2 X 2 X 3. O experimento foi conduzido no segundo semestre de 1998, em região de clima Cwa. Realizou-se plantio em fileira única, com espaçamento de 1,25 m entre linhas e 0,25 m entre plantas, com irrigação por gotejamento, em casa de vegetação tipo arco, com laterais abertas, sendo as plantas conduzidas alternadamente uma para cada lado, em forma de V; adotou-se o limite de dois frutos por planta. Ocorreram interações entre híbridos e posições de fixação do fruto para altura de fixação do fruto, entre híbrido e sistema de condução para conteúdo de sólidos solúveis, entre sistema de condução e posição de fixação do fruto para número médio de frutos por planta e produção total de frutos por planta. Plantas conduzidas com duas hastes apresentaram maior distância entre o solo e o nó de fixação do fruto (55,17 cm), em relação às com uma haste (39,50 cm) para os dois híbridos. O híbrido Bônus nº 2 apresentou maior quantidade de matéria seca por planta, na floração (22,61 g) e na colheita (74,34 g), maior área foliar por planta, na floração (0,3613 m2) e colheita (0,7701 m2), maior número de frutos por planta (1,15), maior produção total de frutos por planta (1,18 kg), e maior conteúdo de sólidos solúveis (15,0%) em relação a 'D. Carlos' (16,39 g, 52,48 g, 0,2550 m2, 0,6094 m2, 0,78 frutos, 0,848 kg/fruto, e 11,3%, respectivamente). O híbrido D. Carlos, conduzido com duas hastes, apresentou maior conteúdo de sólidos solúveis (12,0%) em relação a uma haste (10,5%), o que não foi observado para 'Bônus nº 2'. A posição de fixação do fruto não influenciou no conteúdo de sólidos solúveis (12,9 a 13,3%), na massa média do fruto (1,050 a 1,090 kg) e no número médio de frutos por planta (1,05 a 1,30). Entretanto, para a produção total por planta, no sistema de condução com uma ou duas hastes, as posições acima do 9º nó até o 15º nó apresentaram maior produção (1,123 a 1,352 kg/planta). 'D. Carlos' mostrou-se mais precoce (81 dias em média) em relação a 'Bônus nº 2' (98 dias em média).

Palavras-chave : Cucumis melo; poda; posição de fixação; sistema de condução; produção.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons