SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 número1Dióxido de carbono aplicado via água de irrigação na cultura da alfaceCultivar e adubação NPK na produção de tomate salada índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Horticultura Brasileira

versão impressa ISSN 0102-0536versão On-line ISSN 1806-9991

Resumo

SANTOS, Gilmara M. et al. Características e rendimento de vagem do feijão-vagem em função de fontes e doses de matéria orgânica. Hortic. Bras. [online]. 2001, vol.19, n.1, pp.30-35. ISSN 0102-0536.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362001000100006.

Com o objetivo de avaliar doses e fontes de matéria orgânica na cultura do feijão-vagem, cultivar Macarrão Trepador, instalou-se um experimento em condições de campo no período de julho a novembro de 1998, no Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba. O delineamento experimental empregado foi blocos casualizados, em esquema fatorial 4 x 5, compreendendo quatro fontes de matéria orgânica (esterco de galinha, esterco bovino, esterco caprino e húmus de minhoca) e cinco doses, sendo 0; 5; 10; 15 e 20 t/ha de esterco de galinha; e, 0; 10; 20; 30 e 40 t/ha de esterco bovino, caprino e húmus de minhoca, em quatro repetições. Utilizaram-se parcelas com 20 plantas, espaçadas de 1,00 x 0,50 m. Os resultados indicaram que o comprimento de vagens aumentou linearmente com as doses de estercos de galinha, de bovino e de caprino. O peso médio de vagens foi influenciado apenas pelo esterco de galinha. O húmus de minhoca não exerceu efeito sobre a característica e a produtividade de vagens. O esterco de galinha na dose de 13,0 t/ha proporcionou rendimento máximo de vagens (26,3 t/ha), o esterco bovino na dose de 24,0 t/ha produziu 30,3 t/ha e o esterco caprino, na dose de 16,6 t/ha, produziu 23,0 t/ha. A análise econômica indicou a dose de 11 t/ha de esterco de galinha e de 23,0 t/ha de esterco bovino, como as mais viáveis economicamente para adubação orgânica no feijão-vagem, resultando num rendimento estimado de 11,3 e 21,2 t/ha de vagens e uma receita prevista de 8.000 e 21.000 kg/ha de vagens, respectivamente. Para o esterco caprino, 20 t/ha apresentou saldo um pouco superior à sua ausência, enquanto 10 t/ha de húmus de minhoca revelou saldo de R$ 2.336,00/ha, porém, inferior à sua ausência. Conclui-se, pois, que nas condições em que foi realizada a presente pesquisa, não é vantajoso o emprego do esterco caprino e do húmus de minhoca como fontes de matéria orgânica para programas de produção de vagens em feijão-vagem.

Palavras-chave : Phaseolus vulgaris L; vagem; adubação orgânica; rendimento.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons