SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 número4Desempenho agroeconômico do consórcio cenoura x alface lisa em dois sistemas de cultivo em faixaProdução de clones de taro em função dos tipos de mudas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Horticultura Brasileira

versão impressa ISSN 0102-0536versão On-line ISSN 1806-9991

Resumo

SANDRI, Miguel Angelo; ANDRIOLO, Jerônimo Luiz; WITTER, Marcio  e  DAL ROSS, Tiago. Efeito do sombreamento sobre o crescimento do tomateiro em cultivo protegido. Hortic. Bras. [online]. 2003, vol.21, n.4, pp.642-645. ISSN 0102-0536.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362003000400013.

O experimento foi conduzido na Universidade Federal de Santa Maria, para determinar o efeito do sombreamento sobre o crescimento do tomateiro em cultivo protegido. A semeadura foi feita em 04/07/00 e o plantio em 27/08, na densidade de 3,3 plantas m-2, empregando substrato comercial orgânico. A água e os nutrientes foram fornecidos diariamente através de uma solução nutritiva. Dois túneis de polietileno (2,20 m de altura, 5 m de largura e 15 m de comprimento) foram empregados. Em um dos túneis, a transmissividade da radiação solar global foi de 83% e plantas testemunha foram cultivadas, empregando-se o mesmo manejo praticado na produção comercial dessa cultura. Plantas sombreadas foram cultivadas no segundo túnel, onde por ocasião da antese da primeira inflorescência foi instalada uma tela com 52% de sombreamento, logo abaixo do filme de polietileno de cobertura do túnel. O crescimento e o desenvolvimento foram determinados aos 19; 26; 33; 40; 47; 54; 61; 75 e 89 dias após o início da antese. A média diária de radiação solar global dentro do túnel testemunha, no período entre o plantio e o final do experimento foi de 12,4 MJ m-2 dia-1, enquanto no túnel sombreado, após a instalação da tela de sombreamento, foi de 5,0 MJ m-2 dia-1. O número de frutos por unidade de área de solo não diferiu significativamente entre as plantas testemunha e sombreadas. Na última coleta a massa seca das plantas testemunha e sombreadas diferiu significativamente e os valores foram, respectivamente, 974,9 g m-2 e 762,5 g m-2 para a massa seca total, 550,1 g m-2 e 419,74 g m-2 para os frutos e 424,75 g m-2 e 342,74 g m-2 para os órgãos vegetativos. A massa seca total foi reduzida em 21,7% pelo sombreamento, porém as plantas continuaram a crescer, apesar do nível de radiação inferior ao limite trófico de 8,4 MJ m-2 dia-1. Para determinar a disponibilidade climática de hortaliças em diferentes regiões é recomendável levar em consideração também outras variáveis climáticas além da radiação solar.

Palavras-chave : Lycopersicon esculentum; eficiência de crescimento; radiação solar; disponibilidade climática.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons