SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número2Produção, qualidade e uso de água do tomateiro para processamento em função da época de paralisação das irrigaçõesIdentificação e quantificação dos componentes de perdas de produção do tomateiro índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Horticultura Brasileira

versão impressa ISSN 0102-0536versão On-line ISSN 1806-9991

Resumo

SANTOS, Ronaldo P. et al. Avaliação de cultivares de mandioca, para consumo in natura, quanto à resistência à mancha parda da folha. Hortic. Bras. [online]. 2004, vol.22, n.2, pp.232-237. ISSN 0102-0536.  https://doi.org/10.1590/S0102-05362004000200014.

Visando confirmar o agente etiológico da 'mancha-parda' e avaliar diferentes cultivares de mandioca quanto à resistência a doença e às características agronômicas e nutricionais no estado do Rio de Janeiro, realizaram-se dois ensaios em condições de campo, na UFRRJ. No primeiro, de fevereiro de 1997 a junho de 1998, avaliaram-se seis cultivares (Amarelinha, Marcos OP, IAC-264, Baiana, Mantiqueira e Sonora). No segundo, de janeiro a agosto de 1999, avaliaram-se as mesmas cultivares mais a 'Saracura' e Rosada de SC. Em ambos ensaios utilizou-se o delineamento de blocos ao acaso com três repetições. A intensidade de doença, originada a partir de infecção natural, foi quantificada a cada sete e 15 dias, e por ocasião da colheita, quando se estimaram a severidade e a incidência de folhas lesionadas, taxa de desfolha e número de folhas lesionadas. Com os dados de severidade e de incidência, construíram-se curvas e calcularam-se os valores da área abaixo da curva de progresso da doença (AACPD), para as estimativas da severidade da doença e da incidência de folhas infectadas, respectivamente. Houve diferença entre as cultivares quanto à resistência à mancha parda da folha, causada por Cercosporidium henningsii. A 'Amarelinha' foi a mais suscetível e 'Baiana' e 'Sonora' as mais resistentes. Não houve, em geral, diferença significativa entre as cultivares quanto à produtividade e características das raízes, com destaque porém, para a cultivar Amarelinha que apresentou raízes mais uniformes e com maior peso médio. Houve correlação negativa e significativa entre a severidade da doença, expressa pelos valores da AACPD e número e peso das raízes.

Palavras-chave : Cercosporidium henningsii; Manihot esculenta; resistência; epidemiologia.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons