SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 número3Um método de inoculação de begomovírus confiável para a seleção de linhagens de Lycopersicon esculentimÉpocas de plantio e doses de silício no rendimento de alface tipo americana índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Horticultura Brasileira

versão impressa ISSN 0102-0536versão On-line ISSN 1806-9991

Resumo

REIS, Ailton  e  BOITEUX, Leonardo S. Ocorrência da raça 3 de Fusarium oxysporum f. sp. lycopersici em lavouras comerciais de tomate para mesa no estado do Rio de Janeiro. Hortic. Bras. [online]. 2007, vol.25, n.3, pp.451-454. ISSN 0102-0536.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362007000300025.

A murcha-de-fusário, causada por três raças do fungo Fusarium oxysporum f. sp. lycopersici, é uma das doenças mais importantes do tomateiro. No Brasil, as três raças já foram relatadas, entretanto a raça três encontrava-se restrita apenas ao estado do Espírito Santo. Neste trabalho, sete isolados de F. oxysporum obtidos de plantas com sintomas de murcha, dos híbridos de tomate 'Giovana', 'Carmen' e 'Alambra', em São José de Ubá e Itaocara (estado do Rio de Janeiro) foram caracterizados a nível de raça. Um ensaio de virulência foi conduzido utilizando-se um conjunto de cultivares diferenciadoras de raças: 'Ponderosa' (suscetível a todas as raças), 'IPA-5' (resistente à raça 1), 'Floradade' (resistente às raças 1 e 2) e 'BHRS-2,3' (resistente às três raças). Dois acessos de tomate selvagens (Solanum. pennellii 'LA 716' e S. chilense 'LA 1967'), previamente registrados como resistentes a isolados das três raças de F. oxysporum f. sp. lycopersici, também foram avaliados. Os isolados de São José de Ubá e Itaocara foram altamente virulentos sobre ponderosa 'Ponderosa', 'IPA-5' e 'Floradade' conseguiram infectar algumas plantas de 'BHRS-2,3', induzindo descoloração vascular e uma leve murcha. Solanum pennellii e S. chilense mostraram uma resposta de extrema resistência aos isolados avaliados. Estes resultados indicaram que os sete isolados podem ser classificados como F. oxysporum f. sp. lycopersici raça 3, estendendo a distribuição geográfica desta raça do patógeno no Brasil. Este relato reforça a hipótese de transmissão da doença via sementes contaminadas, uma vez que registra o quase simultâneo aparecimento do mesmo patógeno em duas áreas de produção de tomate geograficamente isoladas (Espirito Santo e Rio de Janeiro). A avaliação de lotes de sementes comerciais importadas para contaminação com este patógeno se faz necessária a fim de evitar a disseminação desta doença para outros estados do Brasil.

Palavras-chave : Lycopersicon; Murcha-de-fusário; variabilidade patogênica.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons