SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 número2Conservação pós-colheita de berinjela com revestimentos de fécula de mandioca ou filme de PVCProdução e qualidade de frutos de melão submetidos a dois sistemas de irrigação índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Horticultura Brasileira

versão impressa ISSN 0102-0536versão On-line ISSN 1806-9991

Resumo

KIKUTI, Ana Lúcia P  e  MARCOS FILHO, Julio. Condicionamento fisiológico de sementes de couve-flor. Hortic. Bras. [online]. 2009, vol.27, n.2, pp.240-245. ISSN 0102-0536.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362009000200021.

Esta pesquisa teve como objetivos definir o procedimento para o condicionamento fisiológico de sementes de couve-flor e verificar a influência do potencial fisiológico das sementes sobre os resultados desse tratamento. Seis lotes de sementes, três da cultivar Sharon e três da cultivar Teresópolis Gigante, foram submetidos ao hidrocondicionamento entre camadas de duas, quatro e seis folhas de papel toalha e ao osmocondicionamento entre camadas de quatro folhas de papel toalha umedecidas com solução de polietilenoglicol 6000 (potenciais de -0,1 e -0,2 MPa). Em todos os procedimentos os teores de água foram ajustados para 32 e 38%, para a cultivar Sharon, e 34 e 41% para a cultivar Teresópolis Gigante. Os efeitos dos tratamentos sobre a germinação e emergência das plântulas foram comparados à testemunha (sem condicionamento). O hidrocondicionamento entre quatro e seis folhas, até a obtenção dos teores de água mais elevados, beneficiou a velocidade de germinação (VG) e a de emergência de plântulas (VE), nas duas cultivares. Na cultivar Sharon a VG foi de 14,6 (testemunha) em comparação a 16,4 nas sementes hidrocondicionadas, para os lotes de maior e menor potencial fisiológico; paralelamente, os valores da VE aumentaram de 8,9 para 11,2 e de 7,8 para 11,6, nos lotes de menor potencial fisiológico. Para a cultivar Teresópolis Gigante, a VG e a VE foram favorecidas pelo hidrocondicionamento, independentemente do potencial fisiológico dos lotes (a VG aumentou de 16,4 para 21,4 e, a VE, de 9,5 para 13,5). Conclui-se que o hidrocondicionamento entre quatro e seis folhas de papel toalha, até a obtenção de teores de água próximos aos da emissão da raiz primária é favorável à velocidade de germinação e de emergência de plântulas em couve-flor e que o potencial fisológico inicial dos lotes pode influenciar a resposta ao condicionamento fisiológico, dependendo da cultivar ou histórico dos lotes.

Palavras-chave : Brassica oleracea var. botrytis; hidrocondicionamento; osmocondicionamento; germinação; vigor.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons