SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 número4Resistência de genótipos de batata a Diabrotica speciosaProdutividade e sintomas de murcha-bacteriana de genótipos de berinjela cultivados em solo infestado com Ralstonia solanacearum índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Horticultura Brasileira

versão impressa ISSN 0102-0536

Resumo

QUEZADO-DUVAL, Alice M et al. Desempenho de híbridos de tomate para processamento industrial em pressão de begomovirose e de mancha-bacteriana. Hortic. Bras. [online]. 2014, vol.32, n.4, pp.446-452. ISSN 0102-0536.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-053620140000400012.

A mancha-bacteriana e a begomovirose são exemplos de doenças importantes em tomate para processamento industrial no Brasil em que a disponibilização de cultivares com resistência é extremamente desejável. No presente trabalho foram conduzidos três ensaios (2010 e 2011) para avaliar híbridos comerciais e experimentais de tomate para processamento industrial em campo, com ocorrência de begomovirose (ensaios 1 e 3) e de mancha-bacteriana (ensaios 2 e 3). O delineamento experimental em 2010 foi blocos ao acaso e, em 2011, blocos ao acaso com parcelas subdivididas, cabendo à parcela a inoculação de Xanthomonas perforans e/ou X. gardneri (com e sem) e, à subparcela, os híbridos. A infecção por begomovírus foi natural. A severidade de ambas as doenças foi mensurada por atribuição visual de notas. Foi calculado a estimativa do efeito relativo de tratamento para severidade das doenças quando tomada em uma única avaliação (ensaios 1 e 2) e a Área Abaixo da Curva de Progresso da Mancha-bacteriana (AACPMab) para a severidade estimada em quatro datas (ensaio 3). Avaliou-se ainda a produtividade nos três ensaios. Foram observadas diferenças significativas entre os híbridos em relação à severidade das doenças estudadas (três ensaios) e produtividade (ensaios 2 e 3). Os híbridos BRS Sena, HF1-50 e BQ-210 tiveram melhor comportamento em relação à begomovirose no ensaio 1. Para a mancha-bacteriana (ensaio 2), sete híbridos tiveram estimativa do efeito relativo (ER) de tratamento inferior a 0,50, porém com muita sobreposição entre os intervalos de confiança. A produtividade variou de 33,7 (BQ 145) a 56,5 t/ha (BRS Sena). No ensaio 3, o híbrido BRS Sena novamente colocou-se entre os materiais com melhor desempenho para begomovirose, enquanto, em conjunto com os híbridos CVR 54, BA 5446 e HMX 7889, apresentou AACPMab significativamente menor que os materiais mais suscetíveis. Em seis híbridos a mancha-bacteriana reduziu significativamente (41,4% em média) a produtividade, que variou de 95,8 (AP 533) a 138,0 t/ha (BA 5446).

Palavras-chave : Solanum lycopersicum; Tomato severe rugose virus; Xanthomonas perforans; X. gardneri; análise não-paramétrica; estatística-teste F..

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )