SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33 número4Estabilidade fenotípica em abóboraDesenvolvimento e produtividade de couve-flor e repolho influenciados por tipos de cobertura do solo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Horticultura Brasileira

versão impressa ISSN 0102-0536versão On-line ISSN 1806-9991

Resumo

VIANA, Mayara MS et al. Composição fitoquímica e potencial antioxidante de hortaliças não convencionais. Hortic. Bras. [online]. 2015, vol.33, n.4, pp.504-509. ISSN 0102-0536.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-053620150000400016.

São denominadas hortaliças não convencionais as espécies vegetais presentes em determinadas localidades ou regiões, mas que aos poucos foram esquecidas e desvalorizadas. Em virtude das mudanças no comportamento alimentar, o consumo destas hortaliças foi reduzido causando perdas econômicas, sociais e culturais. O resgate deste consumo é de grande importância, visando a preservação da biodiversidade brasileira, os benefícios nutricionais, assim como novas fontes de antioxidantes naturais para a indústria alimentícia. Avaliou-se a composição fitoquímica de espécies vegetais denominadas hortaliças não convencionais: beldroega (Portulaca oleracea), bertalha (Basella rubra), caruru (Amaranthus viridis), peixinho (Stachis lanata) e azedinha (Rumex acetosa), bem como o seu potencial alimentar com base no ranquemento do valor dessas características. Com relação aos minerais avaliados, o caruru apresentou os maiores teores de nitrogênio, cálcio, magnésio, enxofre e ferro. O maior conteúdo de compostos fenólicos foi detectado em peixinho, assim como a menor concentração de taninos condensados (0,14 Eag/g de extrato). Quanto aos carotenoides totais, caruru apresentou a maior concentração, mas o conteúdo de β-caroteno foi maior em peixinho, azedinha tipo I e bertalha. O extrato metanólico de peixinho apresentou forte capacidade de sequestro do radical livre. A maior percentagem de proteína foi detectada na azedinha (tipos I e II). Concluiu-se que os teores de componentes protéicos, minerais e compostos bioativos encontrados nessas hortaliças, caracterizam-nas pelo seu elevado potencial nutricional, podendo o seu consumo regular trazer benefícios à saúde humana.

Palavras-chave : Portulaca oleracea; Basella rubra; Amaranthus viridis; Stachis lanata; Rumex acetosa; qualidade nutricional..

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )