SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 número2Caracterização morfoagronômica e estimativas de parâmetros genéticos em urucuzeiroAtributos físico-químicos de Brassicas cultivadas sobre diferentes coberturas em plantio direto índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Horticultura Brasileira

versão impressa ISSN 0102-0536versão On-line ISSN 1806-9991

Resumo

MOURAO, Isabel et al. Efeito do sistema de condução na produtividade e qualidade dos frutos de tomateiro enxertado. Hortic. Bras. [online]. 2017, vol.35, n.2, pp.247-251. ISSN 0102-0536.  http://dx.doi.org/10.1590/s0102-053620170215.

O uso da enxertia na horticultura tem aumentado como estratégia de prevenção de estresses bióticos e abióticos de origem edáfica. Na cultura de tomate em estufa o número de hastes por planta enxertada, que determina a densidade de plantio e exposição solar da cultura, deve ser investigado para uma correta gestão da cultura. Foi realizado um ensaio em estufa durante a primavera/verão no NW de Portugal com o objetivo de avaliar os efeitos na produtividade e qualidade dos frutos de tomateiros enxertados (cv. Vinicio em porta-enxerto Multifort), da condução em 2, 3 e 4 hastes por planta, a partir dos nós das primeiras folhas definitivas ou com 2 hastes a partir dos nós das folhas cotiledonares, o que reflete as práticas usuais com tomateiro enxertado. A produtividade foi significativamente superior para as plantas de tomateiro conduzidas com 2 hastes (26,5 kg/m2), comparativamente com plantas de 3 e 4 hastes (19,5 kg/m2), o que poderá estar relacionado com uma maior competição por água e nutrientes entre as hastes da mesma planta, bem como por limitações do sistema radicular das plantas com 3-4 hastes. Os parâmetros de qualidade dos frutos como firmeza (1,0 kg/cm2), teor em sólidos solúveis (5,1°Brix), acidez total (1,0 g/100 g de peso fresco), pH (4,4) e matéria seca (4,9%) não foram influenciados pelos sistemas de condução. A maior produtividade das plantas conduzidas em 2 hastes compensou os custos mais elevados da plantação de plantas enxertadas. Os resultados idênticos das plantas conduzidas em duas hastes a partir dos nós das folhas cotiledonares e das primeiras folhas definitivas, sugerem que as primeiras não devem ser recomendadas pois requerem cuidados acrescidos de produção no viveiro.

Palavras-chave : Solanum lycopersicum; enxertia de oleráceas; nós das folhas verdadeiras e cotiledonares; número de hastes; porta-enxerto Multifort..

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )