SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.69 issue3Acid-base balance in sheep with experimentally induced acute ruminal lactic acidosisOvarian radiographic and direct measurements of Japanese Quail ( Coturnix coturnix japonica ) submitted to light restriction author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

On-line version ISSN 1678-4162

Abstract

GOMES, M.C.; MARTINS, I.V.F.; WERNECK, M.R.  and  PAVANELLI, L.. Ecologia da comunidade de helmintos gastrointestinais de tartarugas-verdes ( Chelonia mydas ) recolhidas no litoral do Espírito Santo. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. [online]. 2017, vol.69, n.3, pp.644-650. ISSN 1678-4162.  http://dx.doi.org/10.1590/1678-4162-9039.

A tartaruga-verde, Chelonia mydas, apresenta distribuição cosmopolita. No Brasil, ocorre na costa, porém desova em ilhas oceânicas. A helmintofauna de tartarugas-verdes é diversificada, podendo-se dizer que tem a maior diversidade comparada com outras espécies de tartarugas. Objetivou-se avaliar aspectos ecológicos da comunidade de helmintos gastrointestinais e relacionar com a condição corporal de tartarugas-verdes recolhidas no litoral do Espírito Santo. Foram utilizados 36 exemplares juvenis da espécie C. mydas. O trato gastrointestinal foi separado e dividido em porções: esôfago/estômago, intestino delgado e intestino grosso. Cada porção foi inspecionada à procura de parasitos, e os exemplares encontrados foram separados para posterior identificação. Das 36 tartarugas avaliadas, 34 estavam parasitadas por helmintos (94,44%), com um total de 10.734 helmintos. Foram encontradas 18 espécies de trematodas pertencentes a quatro famílias. A riqueza de espécies encontrada foi de 4,29±2,19 (1-10) e a intensidade média de infecção foi de 315,64±281,83 (2-994) helmintos. Os parasitos mais prevalentes foram Cricocephalus albus, Metacetabulum invaginatum e Neoctangium travassosi, ambos com 61,11% (22/36), Pronocephalus obliquus com 33,33% (12/36), e Glyphicephalus lobatus com 30,55% (11/36). O helminto mais abundante foi M. invaginatum com 70,63 helmintos/animal, seguido de C. albus com 58,77 helmintos/animal e N. travassosi com 41,75 helmintos/animal.

Keywords : tartaruga marinha; Brasil; parasito; trematoda.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · Portuguese ( pdf )