SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 número2População e desenvolvimento além da primeira transição demográfica: discussão da experiência de países do leste e sudeste da ÁsiaA evolução do sub-registro de mortes e causas de óbitos mal definidas em Minas Gerais: diferenciais regionais índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Revista Brasileira de Estudos de População

versão impressa ISSN 0102-3098

Resumo

SIVIERO, Pamila Cristina Lima; TURRA, Cássio Maldonado  e  RODRIGUES, Roberto do Nascimento. Diferenciais de mortalidade: níveis e padrões segundo o sexo no município de São Paulo de 1920 a 2005. Rev. bras. estud. popul. [online]. 2011, vol.28, n.2, pp. 283-301. ISSN 0102-3098.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-30982011000200003.

O objetivo deste trabalho é analisar, de forma sistemática, os níveis e padrões do diferencial de mortalidade entre os sexos no município de São Paulo, ao longo de 85 anos, de 1920 a 2005. São utilizados três indicadores na análise: o hiato na esperança de vida ao nascer; a razão de sexo entre taxas específicas de mortalidade por idade; e a contribuição de diferentes idades no hiato na esperança de vida ao nascer, com base no método de decomposição da diferença entre esperanças de vida ao nascer proposto pela ONU (1982). De maneira geral, as tendências de período observadas no município de São Paulo são semelhantes àquelas verificadas em países desenvolvidos, com algumas especificidades. Quanto à tendência de longo prazo do nível do diferencial na mortalidade por sexo, observa-se uma defasagem temporal de 30 a 50 anos. O início do processo de transição do padrão etário da mortalidade diferencial entre homens e mulheres foi tardio, mas, recentemente, as mudanças foram semelhantes às dos países desenvolvidos. Além disso, a análise da contribuição das diferentes idades para o hiato na esperança de vida ao nascer por sexo indica que a redução do diferencial observada no último quinquênio foi explicada, principalmente, pela diminuição da mortalidade masculina nas idades jovens. Entretanto, a redução no risco de morrer entre adultos e idosos também contribuiu com uma parcela significativa (cerca de 30%) do decréscimo do diferencial de mortalidade por sexo no período. Neste sentido, os resultados aqui apresentados sugerem que o comportamento futuro dos diferenciais de mortalidade por sexo dependerá, em maior medida, da heterogeneidade no risco de morrer em idades avançadas.

Palavras-chave : Diferencial de mortalidade por sexo; Decomposição; Município de São Paulo.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Português     · pdf em Português